AMÁBILE – Amabilidade de Deus

133

“Queremos de Amábile o sonho recriar”

No dia 31 de março, fazemos memória de Amábile Avosani, a primeira Irmã Catequista Franciscana! Nela, buscamos inspiração para a vivência do carisma que – em seu vigor inicial – a encorajou a percorrer o caminho de Rodeio a Aquidabã, no ano 1913.

Ela se colocou a caminho, sem muita certeza dos passos futuros… O desejo de colaborar a impeliu a fazer-se IRMÃ! Irmã dos “pequeninos que pediam pão”, das famílias que clamavam por educação para seus filhos e filhas, IRMÃ DO POVO, no meio do povo!

As palavras da irmã Maria Fachini traduzem o ser de Amábile:

Amábile, não só amável, mas profunda e concretamente amante. Porque a amabilidade de Deus consiste exatamente em ser, ao extremo, amante. É a amabilidade de Deus que quis Amábile personificar. Ela é, sobretudo, amante.

Amante de Deus a cujo chamado não resiste: “Levante-se ó minha companheira, formosa minha, venha a mim. As flores desabrocham na terra, e o tempo de podar se aproxima” (Ct 2,10b.12a). Amante, se apressa a colaborar na poda, para que os frutos sejam abundantes e nutritivos. “Senti em mim um grande desejo de colaborar”, dirá. O amor transforma o desejo em passos, em ações rumo aos canteiros de flores, para o meio da plantação em tempo de poda.

Aí é amante de cada canteiro, de cada plantinha que o Amante dono da plantação lhe confia. Com o Amor como principal ferramenta, se entrega amorosa, não só à poda, mas ao cuidado diário que necessita a plantação. Fertiliza o chão com sua presença ativa, no cotidiano de uma família do campo; rega com a água viva da Palavra a cujo anúncio dedica tempo diário; protege de inimigos da boa colheita, com o cultivo da vivência comunitária, com o alimento da fé que veio na reduzida bagagem.

Se empenha em cuidar da fertilidade do solo, somando com outros e outras lavradores e lavradoras zelosos de fazer florescer e frutificar as sementes do Verbo, presentes nos valores religiosos e culturais trazidos da longínqua terra natal e que fincaram raízes na nova pátria que acolheu e deu possibilidade de vida ao imigrante, junto a quem foi enviada em missão.

A poda é necessária para livrar de brotos que não dão fruto, das ramas que roubam o viço, a seiva dos ramos que sim, são destinados a produzir. Ela poda sem medo, mas com firme amabilidade. Com amoroso cuidado, acompanha cada planta para que cresça a lavoura inteira e corresponda ao desejo do dono da plantação. Ela sabe que é simples instrumento, por isso, busca diariamente, junto ao Senhor da messe, a orientação, o alimento, a força, tudo o que necessita para realizar com fidelidade a missão que recebeu e apresentar, no dia da colheita, os frutos esperados.

Amábile de nome, amante em toda a vida, de toda forma de vida, até hoje, inspiradora de outras que, seguindo seus passos, caminham na vida defendendo e promovendo a vida.

Há um broto vital nesta vivência de Amábile, que chega até nós e nos torna fecundas além do tempo! Oxalá a mística e a profecia nos ajudem a encontrar caminhos para a fiel vivência do carisma que herdamos, fazendo dele um impulso que se renova ao alcançar diferentes gerações e ao abraçar diferentes culturas.

Nosso abraço de carinho e esperança a cada irmã, formanda, simpatizante que, inspiradas/os em Amábile, abraçam a dinâmica do cotidiano, da proximidade e da força da presença e dos pequenos gestos. Estendemos esse abraço especialmente à província que tem Amábile Avosani como madroeira e, em terras amazônicas, busca “seu sonho recriar”!

Que Amábile interceda por nós nesse tempo de reorganização da congregação! Que esse processo nos conduza a um “novo começo”, nos torne fecundas, nos mantenha com um coração enamorado, sem perder de vista a motivação primeira, pela qual o carisma nos foi dado.

Por: Irmã Marlene dos Santos – pela coordenação Geral

Fonte: CICAF

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui