Catequista, Semeador/a da Palavra

169

“O catequista é, intrinsecamente, um mediador que facilita a comunicação entre as pessoas e o mistério de Deus, e dos sujeitos entre si e com a comunidade”. DGC 146

Celebrando ainda a vocação dos cristãos leigos e leigas, destaca-se no último domingo do mês de agosto, uma vocação muito especial na vida da Igreja, a vocação da/o catequista.

O/a catequista é um/a semeador/a. Semeia no coração de adultos e jovens, crianças e adolescentes a Palavra, que é o próprio Jesus. Desse modo, inicia na fé cristã novos discípulos missionários de Jesus.

A importância do/a catequista na caminhada de fé da comunidade cristã é reconhecida em todos os documentos que tratam da Catequese.

O documento de estudo da CNBB Formação de Catequistas – Critérios Pastorais refere-se assim à pessoa do catequista: “O catequista é enviado. Sua missão possui duplo sentido: é enviado por Deus, constituído Ministro da Palavra pelo poder do Espírito Santo, e é enviado pela comunidade, pois é em seu nome que ele fala. (46)

Palavras semelhantes encontramos no Documento Catequese Renovada – orientações e conteúdo: “A tarefa da Catequese é confiada, em primeiro lugar, a toda comunidade eclesial (…) A comunidade não dispensa a figura do catequista; ao contrário: em função do papel da comunidade na Catequese e também devido às transformações sociais e culturais do nosso tempo, estamos descobrindo um novo tipo de catequista: alguém que, integrado na comunidade, conhece bem sua história e suas aspirações e sabe animar e coordenar a participação de todos (CR 144).

O último Diretório Geral da Catequese, publicado em junho, repete o Diretório Nacional de Catequese: Nenhuma metodologia, por quanto possa ser experimentada, dispensa a pessoa do catequista em cada uma das fases do processo de catequese. (…) O catequista é, intrinsecamente, um mediador que facilita a comunicação entre as pessoas e o mistério de Deus, e dos sujeitos entre si e com a comunidade.(DGC 156)

Justamente por esse reconhecimento faz-se necessário um empenho no sentido de oferecer às/aos catequistas uma formação adequada à importância de sua missão.

A Catequese é, no dizer de João Paulo II, a tarefa primordial da Igreja. Ele define a tarefa da catequese como a de colocar a pessoa (criança, jovem ou adulto) em comunhão com Jesus (cf.CT 5). Nesse processo, a pessoa da/o catequista é fundamental. Portanto, merece atenção especial no sentido de uma formação que, conforme os próprios documentos preveem, integre o ser, o saber e o saber fazer.

Ao celebrar tão bela vocação, agradecemos aos/às catequistas que, com seu valioso serviço, contribuem para a renovação das comunidades eclesiais, iniciando na fé adultos, jovens e crianças. Que Deus abençoe e faça frutificar seus esforços!

Por Ana Cláudia Rocha

Fonte: Congregação das Catequistas Franciscanas

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui