Cinco hábitos para proteger a Terra

359

No último dia 22 de abril, foi celebrado o dia Mundial da Terra. A data representa a luta em defesa do meio ambiente, que visa promover a reflexão sobre a importância do planeta, a partir do desenvolvimento de uma consciência ambiental.

A data foi criada por meio de um protesto ambiental que ocorreu em 1970, liderada pelo ativista ambiental e senador estadunidense Gaylord Nelson (1916-2005).
A manifestação acerca dos temas ecológicos ocorreu em 22 de abril de 1970 nas cidades de Washington, Nova York e Portland. Com o auxílio de diversas comunidades educacionais, somando aproximadamente 20 milhões de pessoas, o ativista realizou um grande movimento com passeatas e discursos que alertavam sobre as questões ambientais.
Após oito meses do evento, foi criado um órgão responsável pelos assuntos ambientais denominado de Agência de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency. Esse momento representou um marco da história da ecologia. A partir daí muitos encontros, conferências, debates foram sendo criados em torno da questão ambiental, como a Conferência de Estocolmo (1972).
No entanto, essa data foi implementada pela ONU quase 4 décadas após o movimento, ou seja, no ano de 2009. Além disso, ela foi nomeada como Dia Internacional da Mãe Terra.

Durante a Rio-92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento) foi elaborada a primeira versão da Carta da Terra: documento voltado para assuntos acerca de uma sociedade global pacífica, justa e sustentável.
A Carta da Terra é uma inspiração para a busca de uma sociedade em que todos sejam responsáveis por ações de paz, respeito e igualdade. Assim, ela preza pelo bem-estar mundial ao tratar de temas éticos de suma importância para todos os cidadãos do século XXI. Para ter acesso ao documento, clique aqui.

Atualmente, um estudo divulgado pela SAR (Seas At Risk) forneceu fatos preocupantes sobre a quantidade de plástico descartável que é utilizado na vida cotidiana e que contribui significativamente para a poluição da Terra, diretamente dos oceanos que representam 71% da superfície do planeta.

A adoção de pequenos hábitos e diminuição de consumo podem ajudar a proteger o meio ambiente e a vida do nosso planeta. Sendo assim, separamos 5 hábitos que podemos adotar:

1 – Sacos de Pano Vs Sacos de Plástico
Estima-se que, anualmente, 18 bilhões de resíduos plásticos entrem nos oceanos a partir de regiões costeiras, o equivalente a cinco sacos de compras de supermercado que se amontoam em cada 30 centímetros de costa, à escala planetária.
Os sacos de pano já não são propriamente uma novidade, mas se pensarmos a fundo na quantidade de formas em que os poderemos utilizar, depressa constatamos que ainda os utilizamos muito pouco. Um saco de pano para guardar roupa ou outros tipos de objetos será sempre uma melhor solução.

2 – Canudos alternativos
A discussão em torno da utilização dos canudos é grande e há diversos estabelecimentos e marcas que estão abolindo sua disponibilização para consumo, pois se sabe que é uma das maiores fontes de poluição.
A Walt Disney Company anunciou no final de 2018 a supressão do uso de canudos de plástico descartáveis em quase todos os parques temáticos e estâncias turísticas da marca. Esta política, que entrará em vigor ainda em 2019, permitirá cortar mais de 175 milhões de canudos que são consumidos, anualmente, nas diversas unidades de diversão. Existem no mercado várias soluções alternativas ao plástico. Metal, madeira ou até massa são alguns dos materiais que se apresentam como alternativa aos canudos e permitem que sejam reutilizáveis.

3 – Vegetariano por um dia
Diversos estudos apontam para a necessidade de reduzir em 75% consumo de carne de vaca e em 90% a carne de porco, para reverter a situação da poluição. Uma boa prática para atenuar este efeito poderia ser aderir à iniciativa de alguns dias na semana não comer carne. Ao mesmo tempo que contribui para a diminuição da poluição, este poderá ser um desafio para hábitos de vida saudáveis.

4 – Fraldas reutilizáveis
Sabe-se que em média um recém-nascido pode gastar até 11 fraldas por dia e que os bebês com mais idade utilizam cerca de seis a 10 fraldas descartáveis diariamente. Se um bebê deixar as fraldas por volta dos dois anos de idade, terá gasto cerca de 7.500 a 8.000 fraldas descartáveis. E sabendo que uma só fralda descartável leva 600 anos a decompor-se na totalidade, não é necessário fazer contas para perceber o efeito que este tipo de material exerce no meio ambiente. Pode parecer um retrocesso voltarmos às fraldas de pano, mas a verdade é que já existem diversas opções no mercado para a reutilização de fraldas, zelando pelo conforto do seu bebê, do planeta e até da sua carteira.

5 – Garrafas reutilizáveis
As garrafas de plástico foram sem dúvida uma revolução no que toca à forma como conseguimos transportar água de forma leve e prática. No entanto, a forma descartável com que as utilizamos, muitas vezes uma única vez, é fonte de grande produção e consequente acumulação de plástico. Cerca de 40 por cento do volume total de plástico produzido é usado na fabricação de embalagens, e grande parte é usada apenas uma vez e jogada fora em seguida.
Menos de um quinto do volume total de plástico é reciclado, embora muitos países e empresas procurem soluções inovadoras para aumentar este número. As garrafas reutilizáveis, disponíveis em materiais, cores e tipos diversos podem ser uma solução eficaz.

Que tal começarmos hoje?

Fonte: Notícias ao MinutoOpenPD e Seas at Risk

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui