Entidade de Duque de Caxias premiada pelo CNJ por sua atuação na defesa das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

115

O Centro de Defesa da Vida (CDVida), entidade ligada à Ação Social Paulo VI da Diocese de Duque de Caxias recebeu no dia 30 de agosto de 2022, o Prêmio Juíza Viviane Vieira do Amaral, oferecido Conselho Nacional da Justiça (CNJ) em Brasília (DF).

O Prêmio Juíza Viviane Vieira do Amaral é uma iniciativa do CNJ destinada a premiar e a dar visibilidade a ações de prevenção e enfrentamento ao fenômeno da violência doméstica e familiar contra mulheres e meninas. Constitui objetivo do prêmio, ainda, conscientizar os integrantes do Judiciário quanto à necessidade de permanente vigília para o enfrentamento desse crescente tipo de violência. Criada pela Resolução CNJ n. 377/2021, a premiação reverencia a memória da juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Viviane Vieira do Amaral, vítima de feminícidio praticado, em dezembro de 2020, pelo ex-marido.

O Centro de Defesa da Vida Irmã Hedwiges Rossi (CDVida), é uma Obra Social da ASPAS, Ação Social Paulo VI, da Diocese de Duque de Caxias. Foi criado em 1998 pelas Assistentes Sociais Ir. Eunice Berri e Ir. Maria Lunardi, religiosas da Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas, responsáveis por elaborar e implantar este projeto pioneiro na prevenção e enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher na Baixada Fluminense.

Atentas e sensibilizadas com a crescente violência no município, a pouca visibilidade da temática na sociedade, a ausência do poder público para atender esta demanda,  tomaram a iniciativa, que conquistou o apoio de Dom Mauro Morelli, Bispo da Diocese na época. Ao longo desses anos, o CDVida tem contribuído para a denúncia e visibilidade das questões que envolvem a violência doméstica e familiar contra a mulher. A atuação do organismo foi premiada pela principal entidade de controle do Poder Judiciário do país.

Embora tenha uma história consolidada, sendo referência até mesmo para entidades ligadas ao Poder Público, bem como da sociedade civil, o CDVida corre o risco de encerrar as suas atividades em 2023, ano em que comemora seus 25 anos de atuação. Pois a entidade que financia grande parte dos custos operacionais do organismo comunicou o fim do apoio ao término deste ano. Sem o CDVida, centenas de mulheres, em situação de vulnerabilidade, que são acompanhadas anualmente correm o risco de não ter mais alguém que possa socorrê-las.

SERVIÇO:

Centro de Defesa da Vida Irmã Hedwiges Rossi (CDVida)

– Ação Social Paulo VI – Diocese de Duque de Caxias

Tel: (21) 37743993 / (21) 966260914

Prêmio Juíza Viviane do Amaral: iniciativas apoiam vítimas de violência doméstica

Fontes: https://www.instagram.com/cdvida_defesadavida/

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui