Francisco: 50% dos pobres têm 50% dos direitos humanos descumpridos

161

Puerto Iguazú, na província argentina de Misiones, é o local para a primeira Cúpula de Magistrados sobre Direitos Sociais e Doutrina Franciscana em tempos de pandemia e pós-pandemia, organizada pelo Comitê Pan-Americano de Juízes de Direitos Sociais e Doutrina Franciscana. De 3 a 4 de março, os participantes compartilharam dois dias intensos de reflexão, com seis painéis: meio ambiente; refugiados, migrantes e deslocados; Estado e mercado, gestão pública e economia popular; povos indígenas; tráfico humano, crianças, adolescentes e gênero; emergência habitacional e direito a moradia digna.

O Comitê acima mencionado foi constituído de acordo com a Ata dada em 4 de junho de 2019 na Cidade do Vaticano, sob a inspiração das palavras de Francisco, que a assinou pessoalmente.

Pensar em justiça, repensar a missão

Para este encontro, o Papa enviou uma mensagem em vídeo, expressando sua alegria em cumprimentá-los e sua satisfação pelo fato de a província de Misiones estar recebendo-os “para reunirem-se e pensar em justiça e rever a missão que têm como juízes neste complexo tempo presente”.

“Há algum tempo, quando penso em justiça, me preocupa – a palavra é dura, mas vou dizer de qualquer forma – uma certa insubstancialidade com a qual ela é tão frequentemente analisada. Dói-me ver como as formas estão encobrindo a substância, como as formas reinam supremas e como a substância se perde, como esta cultura de adjetivos mata a substância. Os adjetivos substituem os substantivos, e dia após dia perdemos profundidade e permanecemos na superfície. Não se trata de pintar a realidade ou envernizá-la, mas de ir à essência da realidade”.

Francisco expressou surpresa com a constante geração de “normas de todo tipo para garantir os direitos humanos” e com a criação de órgãos especializados para zelar por esses direitos. “Tudo parece muito bom, tudo está muito bem envernizado, mas… o que acontece no nível da realidade, o que acontece no nível real com os direitos humanos, por exemplo?”, refletiu.

“Às vezes, ao encontrar metáforas, penso na natureza. Tenho a impressão de que estamos olhando para a justiça como uma folha de uma árvore cujas raízes estão doentes e cujo tronco está quase seco. Aquela folha, ainda com um pouco de verde, com uma luxúria fraca, está condenada a morrer se não curarmos esta árvore agonizando da base”, afirmou.

“50% dos pobres tem, com absoluta certeza, 50% dos direitos humanos descumpridos”
O Bispo de Roma considerou que “a abordagem superficial e pequena da justiça não tem entidade diante do drama da injustiça estrutural, e isto é o que muitas vezes acontece hoje em tantas sociedades do mundo”. Francisco assegurou que “estamos pensando nos detalhes, às vezes insignificantes, quando os processos de deterioração humana e social estão vindo sobre nós com suas consequências de dor e degradação”.

O Santo Padre enviou uma forte mensagem: “50% dos pobres tem certamente 50% dos direitos humanos descumpridos”, e acrescentou que “é hora de substituir os discursos por palavras, a natureza hipotecada e a humanidade ameaçada nos chamam desesperadamente a agir, e nós devemos responder a este chamado”.

Segundo o Papa, as pessoas que têm o privilégio de serem investidas pelo judiciário têm ainda maior responsabilidade neste “duro presente”, afirmou. “A omissão, o conformismo e o desinteresse pelo outro são formas de corrupção, tão nocivas quanto o próprio suborno”, acrescentou. Para Francisco, o juiz que não vive e sente o sofrimento dos outros, que não compreende a dimensão da demanda social por justiça, “dificilmente pode cumprir sua missão como juiz”.

O Pontífice convidou-os a serem corajosos, a ouvirem, a não perderem a fé, a permanecerem no caminho. “E esta é a grande oportunidade da existência humana: ser capaz de transformar para o bem”, disse, esperando que a Cúpula os ajude a serem protagonistas deste caminho. “Não o abandonem. Vejam em Jesus, em Cristo, o exemplo de alguém que sentiu, agiu e se comprometeu incondicionalmente a lutar pela redenção humana. N’Ele, todos os homens e mulheres honestos e bons certamente encontrarão companheiros fiéis no caminho”, disse ele, e concluiu com seu habitual pedido de rezar por ele.

Fonte: Vatican News

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui