Francisco aos jovens: o segredo de um coração feliz é estar ancorado em Jesus

380

O Santo Padre concluiu suas atividades, na tarde desta sexta-feira (22/11), horário local da Tailândia, com a celebração Eucarística para os Jovens, na Catedral da Assunção, em Bangcoc. O Papa iniciou a sua homilia com o convite “Vamos ao encontro do Senhor, que vem!”, partindo do Evangelho do dia, que nos exorta a pôr-nos a caminho com o olhar fixo no futuro e no dom mais belo: a vinda definitiva de Cristo ao nosso mundo.

O Senhor vem ao nosso encontro, a partir da história, que deve ser construída, criada, inventada, disse o Papa. Acolhamo-lo com alegria: “O Senhor sabe que, por meio de vocês, jovens, o futuro entra nestas terras e no mundo. Ele conta com vocês para continuar hoje a sua missão. Como Deus tinha um plano para o Povo escolhido, também tem um plano para cada um de vocês. Ele é o primeiro a convidar todos para o banquete, que devemos preparar juntos, como comunidade: o banquete do seu Reino, do qual ninguém pode ser excluído”.

Apelo aos jovens

Referindo-se ao Evangelho de hoje, Francisco disse que “dez jovens foram convidadas para olhar o futuro e participar do banquete do Senhor”. O problema é que algumas delas não estavam preparadas para participar porque lhes faltou o óleo necessário, o combustível interno para manter aceso o fogo do amor.

Com grande entusiasmo e motivação, queriam participar do convite do Mestre, mas, com o tempo, suas forças e anseios começaram a se dissipar e chegaram tarde ao banquete. E o Papa afirmou: “Esta parábola pode se comparada a nós, cristãos, quando ouvimos, com entusiasmo e decisão, a chamada do Senhor para tomar parte do seu Reino e partilhar da sua alegria. Mas, por causa dos muitos problemas, obstáculos e sofrimentos, perdemos a confiança e, amargurados, esfriamos nosso coração, sonhos e alegrias”.

Por isso, o Santo Padre perguntou aos jovens presentes: “Vocês querem manter vivo o fogo, que os ilumina em plena noite e nas dificuldades? Querem preparar-se para responder à chamada do Senhor? Querem estar prontos para cumprir a sua vontade? Como obter o óleo para mantê-los em movimento à busca do Senhor em todas as situações?” E respondeu: “Vocês são herdeiros de uma magnífica história de evangelização, que lhes foi transmitida como um tesouro sagrado. Esta bela Catedral é testemunho da fé em Jesus Cristo, que seus antepassados receberam. Sua fidelidade, profundamente arraigada, os impeliu a fazer boas obras e a construir outro templo, bem mais esplêndido, composto de pedras vivas, para levar o amor misericordioso de Deus às pessoas da sua época”.

O segredo de um coração feliz

O Papa concluiu sua homilia exortando os fiéis a ficarem arraigados na fé, que receberam de seus pais e mestres, para que o fogo do Espírito não se apague em seus corações, apesar das provações e sofrimentos. O segredo de um coração feliz é estar ancorado em Jesus, na sua vida, nas suas palavras, na sua morte e ressurreição. Por fim, os exortou: “Queridos jovens, vocês são uma nova geração, com novas esperanças, sonhos e interrogativos… Convido-os a manter viva a alegria, arraigados em Cristo. Vamos ao encontro do Senhor, que vem! Não tenham medo do futuro e não desanimem, pois o Senhor os aguarda para preparar e celebrar o banquete no seu Reino”.

Após a celebração Eucarística, na catedral da Assunção, Francisco aproveitou para se despedir do povo tailandês, porque amanhã, sábado, irá ao Japão, segunda e última etapa da Sua Viagem Apostólica à Ásia. Por isso, o Papa agradeceu a todos os que tornaram possível sua visita à Tailândia: o Rei Rama X, o Governo e as Autoridades do país, seus irmãos Bispos, sobretudo o Cardeal Francis Xavier, os sacerdotes, religiosas e religiosos, fiéis e leigos e, de modo especial, todos os jovens!

“Um sincero agradecimento aos voluntários, que colaboraram, com tanta generosidade, e os que me acompanharam com suas orações e sacrifícios, sobretudo os enfermos e encarcerados. O Senhor os recompense com a sua consolação e paz, que só Ele lhes pode dar”.

Íntegra da Homilia

Vamos ao encontro de Cristo Senhor, que vem! O Evangelho, que acabamos de ouvir, convida a pormo-nos em movimento com o olhar fixo no futuro, para nos encontrarmos com o mais belo dom que nos reserva: a vinda definitiva de Cristo à nossa vida e ao nosso mundo. Demos-Lhe as boas-vindas ao nosso meio, com imensa alegria e amor como só vós, jovens, sabeis fazer! Sabemos que, antes de sairmos à sua procura, já o Senhor nos procurava; vem ao nosso encontro e chama-nos a partir da história que é necessário construir, criar, inventar. Vamos com alegria, porque sabemos que Ele nos espera lá.

O Senhor sabe que através de vós, jovens, entra o futuro nestas terras e no mundo, e conta convosco para continuar hoje a sua missão (cf. Christus vivit, 174). Assim como Deus tinha um plano para o povo escolhido, também tem um plano para cada um de vós. Ele é o primeiro a sonhar em convidar-nos a todos para um banquete que devemos preparar juntos, Ele e nós, como comunidade: o banquete do seu Reino, do qual ninguém deveria ser excluído.

O Evangelho de hoje fala-nos de dez jovens convidadas a olhar para o futuro e participar na festa do Senhor. O problema é que algumas delas não estavam preparadas para O receber; não porque adormeceram, mas porque lhes faltou o azeite necessário, o combustível interno para manter aceso o fogo do amor. Com grande entusiasmo e motivação, queriam tomar parte na chamada e convocação do Mestre, mas, com o tempo, as forças e os anseios foram-se amortecendo, apagando, e chegaram tarde. É uma parábola daquilo que pode acontecer conosco, os cristãos, quando ouvimos, cheios de entusiasmo e decisão, a chamada do Senhor para tomar parte no seu Reino e partilhar a sua alegria com os outros. Mas com frequência, perante os problemas e obstáculos que muitas vezes são tantos (como cada um de vós bem sabe, no seu coração), perante o sofrimento de pessoas queridas ou a impotência sentida face a situações que parecem impossíveis de ser alteradas, então a desconfiança e a amargura podem ganhar espaço e infiltrar-se silenciosamente nos nossos sonhos, fazendo com que se resfrie o coração, percamos a alegria, e cheguemos tarde.

Por isso, gostaria de vos perguntar: Quereis manter vivo o fogo que vos pode iluminar no meio da noite e no meio das dificuldades? Quereis preparar-vos para responder à chamada do Senhor? Quereis estar prontos para cumprir a sua vontade?

Como obter o azeite que possa manter-vos em movimento e encorajar-vos a buscar o Senhor em todas as situações?

Sois herdeiros duma magnífica história de evangelização, que vos foi transmitida como um tesouro sagrado. Esta bela Catedral é testemunha da fé em Jesus Cristo que tiveram os vossos antepassados: a sua fidelidade, profundamente arraigada, impeliu-os a cumprir boas obras, a construir o outro templo ainda mais esplêndido, composto de pedras vivas para poder levar o amor misericordioso de Deus às a todas as pessoas do seu tempo. E conseguiram fazê-lo, porque estavam convencidos daquilo que o profeta Oseias diz na primeira Leitura de hoje: Deus falara-lhes com ternura, abraçara-os com um amor forte, para sempre (cf. Os 2, 16.21-22).

Queridos amigos, para que o fogo do Espírito Santo não se apague e possais manter despertos o olhar e o coração, é necessário estar arraigados na fé dos mais velhos: pais, avós, professores. Não para ficar prisioneiros do passado, mas para aprender a ter a mesma coragem, capaz de nos ajudar a responder às novas situações históricas. A vida deles resistiu a muitas provações e sofrimentos. Mas descobriram, ao longo do caminho, que o segredo dum coração feliz é a segurança que encontramos quando estamos ancorados, enraizados em Jesus: na sua vida, nas suas palavras, na sua morte e ressurreição.

«Já me aconteceu ver árvores jovens, belas, que elevavam seus ramos sempre mais alto para o céu; pareciam uma canção de esperança. Mais tarde, depois duma tempestade, encontrei-as caídas, sem vida. Estenderam os seus ramos sem se enraizar bem na terra e, por ter poucas raízes, sucumbiram aos assaltos da natureza. Por isso, custa-me ver que alguns propõem aos jovens construir um futuro sem raízes, como se o mundo começasse agora. Com efeito, é impossível uma pessoa crescer, se não possui raízes fortes que a ajudem a estar firme de pé e agarrada à terra. [Moços e moças, é muito] fácil extraviar-se, quando não temos onde agarrar-nos, onde firmar-nos» (Christus vivit, 179).

Sem este sentido forte de enraizamento, podemos ficar perplexos com as «vozes» deste mundo que reclamam a nossa atenção. Muitas delas são atraentes, propostas bem confeccionadas, que inicialmente parecem bonitas e intensas, mas, com o passar do tempo, acabam por deixar apenas o vazio, o cansaço, a solidão e a frustração (cf. ibid., 277), e vão apagando aquela centelha de vida que um dia o Senhor acendeu em cada um de nós.

Queridos jovens, sois uma nova geração, com novas esperanças, sonhos e interrogativos; seguramente também com algumas dúvidas, mas, enraizados em Cristo, convido-vos a manter viva a alegria e a não ter medo de olhar para o futuro com confiança. Arraigados em Cristo, olhai com alegria, olhai com e confiança. Esta condição nasce da certeza de se saber procurado, encontrado e amado infinitamente pelo Senhor. A amizade cultivada com Jesus é o azeite necessário para iluminar o caminho; não só o vosso caminho, mas também o de todas as pessoas que vos rodeiam: amigos, vizinhos, colegas de estudo e trabalho, mesmo o caminho de quantos estão em total desacordo convosco.

Vamos ao encontro de Cristo Senhor, que vem! Não tenhais medo do futuro nem vos deixeis aviltar; pelo contrário, sabei que lá no futuro está à vossa espera o Senhor para preparar e celebrar a festa do seu Reino.

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui