Francisco deixa claro que ele quer caminhar no meio do povo

11

O fato da Amazônia ter chegado a São Pedro pode ser descrito como um momento histórico. Se ontem, na Eucaristia de abertura, foram impostas as formas do Vaticano, hoje esse protocolo não pôde ou não quis ser imposto, talvez porque desde o primeiro momento todos perceberam que era algo novo, diferente, amazônico, nem melhor, nem pior, apenas diferente.

Uma das coisas que são claramente percebidas no Papa Francisco é seu humor, ele é notado assim que é visto e, na oração da manhã deste primeiro dia de trabalho sínodo, ele foi visto como o anfitrião perfeito, feliz porque aqueles que ele esperava chegaram. Não foi preciso dizer a eles que se sentissem em casa, todos perceberam isso rapidamente e não hesitaram em abordá-lo, tirar fotos, conversar abertamente, beijá-lo e até abençoá-lo, como foi feito por diferentes representantes dos povos originários.

Essas são as novas formas de Francisco, que gradualmente foi instalado no Vaticano, a partir do profundo respeito ao povo da Amazônia, a quem temos que nos aproximarmos “em ponta de pé, respeitando sua história, suas culturas, seu estilo de vida”, como ele disse em seu discurso aos presentes na aula sinodal, “alheios às colonizações ideológicas que destroem ou reduzem as idiossincrasias dos povos,… sem o desejo empreendedor de fazer programas pré-aperfeiçoados para “disciplinar” os povos amazônicos, tentativas de “domesticar” os povos originários, evitando o centralismo “homogeneizador” e “homogeneizador” (que) não permitiu surgir a autenticidade da cultura dos povos”, insistindo que “as ideologias são uma arma perigosa, sempre tendemos a apreender uma ideologia para interpretar um povo”, porque “elas são redutivas e nos levam ao exagero em nossa pretensão de entender intelectualmente, mas sem aceitar , entender sem admirar”.

Nesse sentido, uma premissa fundamental é a nossa capacidade de admirar o povo, de não vê-lo como algo folclórico, exótico, algo que o Papa criticou ao dizer que “ontem fiquei muito triste ao ouvir aqui em um comentário zombador, sobre aquele senhor piedoso que carregavam as oferendas com penas na cabeça, diga-me: Qual é a diferença entre usar penas na cabeça e o “tricórnio” usado por alguns oficiais de nossos dicastérios? ”

Portanto, não podemos esquecer que a Igreja deve chegar à Amazônia, nas palavras do próprio Francisco, “para contemplar, entender, servir os povos”. É para isso que serve o Sínodo: caminhar juntos, “não em mesas redondas, em conferências ou em discussões subsequentes; fazemos no sínodo, porque um sínodo não é um parlamento, não é um salão, não é para mostrar quem tem mais poder sobre a mídia e quem tem mais poder nas redes para impor qualquer ideia ou plano”.

Isso pode ser visto como uma diretriz a ser seguida por todos os que participarão da assembleia durante as próximas três semanas, porque, como ele insistiu, “o Espírito Santo é o principal ator do sínodo”, é imperativo que “por favor, não vamos jogá-lo fora da sala”, insistindo que “devemos deixar o Espírito Santo se expressar nesta Assembleia” e que cada um dos presentes se pergunte “qual será nosso trabalho aqui para garantir que essa presença do Espírito Santo seja proveitosa?” Para isso, o Papa pediu para orar, refletir, dialogar, ouvir com humildade, falar com coragem, com paresia.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui