Sementes do Carisma

512

Mesmo em tempo de pandemia as Sementes não deixam de germinar!

As Sementes do Carisma das Irmãs Catequistas Franciscanas dos dois núcleos de Luanda – Angola, apesar das grandes dificuldades que cada uma está a atravessar pela crise provocada pela pandemia, reuniram-se em seu segundo encontro geral do ano, no dia 24 de outubro, na sororidade Maria Avosani na Terra Nova.

O grupo foi chegando aos poucos, conforme cada um conseguiu se organizar: táxi, boleia, a pés… sem contar a maratona para encontrar o local. Atrasos, desencontros… imprevistos não foram motivos de perder o bom humor. O importante é que ali estávamos bem acolhidos pelas irmãs e postulantes e uma semente que já lá se encontrava desde a tarde anterior.

Na alegria francisclariana começamos o encontro com a acolhida da coordenadora Claudia Alexandre, com uma dinâmica de apresentação em consideração os três novos membros e também porque nem todas conheciam as irmãs, formandas e vocacionadas presentes.

O tema estudado “A paz brota no chão do Cuidado”, gerou uma partilha bem rica sobre a vivência pessoal do cuidado e sobre nosso compromisso de promover esse cuidado em nossa realidade. Duas situações concretas foram assumidas: A primeira a situação de calamidade (seca e fome) que nossos irmãos da Província do Cunene, Sul de Angola estão vivendo. Para essa situação foi formado uma comissão que vai contatar pessoas e entidades que já estão envolvidas na causa, para aprofundar o conhecimento e perceber melhor como podemos mostrar nossa solidariedade, enquanto o grupo todo se une, com esses irmãos em sintonia e orações. A outra é a situação calamitosa das estradas que dão acesso a Belo Monte, que necessitam uma intervenção urgente, caso contrário, podem causar mais mortes e outros problemas. Uma outra comissão se encarregará desta situação escrevendo, com urgência, um documento para a administração municipal e governo provincial solicitando resolução imediata. Será solicitada adesão de outras entidades para que haja mais força.

Houve em seguida a partilha dos núcleos sobre as atividades que ocorreram no dia 17 de setembro – chagas de São Francisco. É tradição neste dia visitarmos um grupo vulnerável. Devido a pandemia esse ano a atividade foi realizada nos núcleos. Foi bom perceber que mesmo com dificuldades conseguimos partilhar com algumas famílias não só alimentos, mas também tivemos tempo para ouvi-las em seus sofrimentos e dificuldades. Foi gratificante ver a alegria nos rostos pela nossa presença.

Não faltou depois do almoço partilhado, o momento recreativo onde todos entramos na dança mostrando seus dotes.

Deixamos aqui nossos agradecimentos à sororidade da Terra Nova pela fraterna acolhida; às irmãs e simpatizantes de outros países pela sintonia e solidariedade para conosco. A toda/os nosso abraço francisclariano.

Por: Elcília Vicente Soares e António Sorte Boa

Fonte: CICAF

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui