Sermos presença onde a vida clama! Mensagem do Presidente da Conferência dos Capuchinhos do Brasil

77

Aos franciscanos capuchinhos do Brasil e ao povo de Deus,

O Senhor nos dê a Paz!

Louvado sejas, Senhor, pelos franciscanos capuchinhos presentes ao longo do Brasil e das Américas e que se colocam a serviço na Igreja em saída, na construção de uma sociedade mais justa e fraterna, na vivência da ecologia integral e na evangélica opção pelos pobres.

Ao ter celebrado o Encontro Panamericano, entre os dias 1 e 8 de maio, na cidade de São Pedro, com a presença de 80 representantes dos frades capuchinhos de toda a América, bem como do Ministro Geral e de seu Conselho, reavivamos em nós o carisma nos dado pelo Senhor em Francisco de Assis e seus seguidores.

Continuamos, nos dias 9 e 10 de maio, com a Assembleia da Conferência dos Capuchinhos do Brasil e queremos, com essa mensagem, animar a todos os frades capuchinhos no Brasil para aprofundarmos nossa vida evangélica no Brasil de hoje.

Com o coração aberto ao mundo, sentimo-nos irmãos junto aos capuchinhos e aos povos ao longo do mundo. Por isso, “não devemos perder a capacidade de escuta”. São Francisco de Assis ‘escutou a voz de Deus, escutou a voz dos pobres, escutou a voz do enfermo, escutou a voz da natureza” (FT 48).

Somos tocados, assim, também pelas dores da humanidade, em um mundo cada vez mais interligado: expressamos nossa comunhão e solidariedade aos milhões de refugiados e que sofrem com as guerras, na Ucrânia, na África, na Síria, no Afeganistão, no Haiti… Também com os que padecem com a fome e a desigualdade no mundo, o que nos impele a despertarmos cada vez mais para a fraternidade e o entendimento de que “o serviço é, ‘em grande parte, cuidar da fragilidade… O serviço fixa sempre o rosto do irmão, toca a sua carne, sente a sua proximidade e, em alguns casos, até ‘padece’ com ela e procura a promoção do irmão” (FT 115).

Hoje, em nosso país, tem de nos provocar fortemente o fato de que se aprofundam cada vez mais a miséria e o desalento de tantos irmãos e irmãs. No Brasil, cerca de um terço da população mora em favelas de maneira precária, 40% dos trabalhadores estão na informalidade, sem seus direitos garantidos, e 20 milhões de pessoas passam fome! É escandalosa e inaceitável a realidade de miséria em um país com grande abundância de riquezas. Mas, ao contrário, cada vez mais se depredam as riquezas do país pela violência da mineração, do desmatamento… em prejuízo dos povos indígenas, dos ribeirinhos e das populações periféricas.

Sentimo-nos convocados a rever nosso estilo de vida para sermos mais sóbrios e solidários, inspirados em Francisco e Clara de Assis, e nos empenharmos pela paz, fruto da justiça, em um tempo em que urge a nossa disponibilidade e compromisso diante de tantas urgências e injustiças.

Sermos presentes onde a vida clama e não há a presença da Igreja, comprometidos com tantos que lutam para construir uma sociedade mais justa e fraterna. Conscientes de que “a fragilidade dos sistemas mundiais perante a pandemia evidenciou que nem tudo se resolve com a liberdade de mercado” (FT 168), mas com a fraternidade!

São Pedro (SP), 10 de maio de 2022.

frei Clézio Menezes dos Santos, OFMCap

Presidente da Conferência dos Capuchinhos do Brasil – CCB

‍Fonte: Capuchinhos.org.br

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui