Todos os bispos chilenos apresentam demissão, aguardam decisão do papa

394

Vatican Insider  Iglesia.cl (Conferencia Episcopal Chile)  –Reunidos em Roma, os Bispos voltam para suas Dioceses e esperam do Papa a aceitação ou não de cada renuncia pedido.  Francisco realizou três dias reunião depois que o Vaticano descobriu um encobrimento sistemático de abusos no Chile. Alguns Bispos estavam envolvidos na destruição de documentos. Outros realizaram investigações superficiais sobre abusos e movido abusadores acusados para escolas ou paróquias, eles ainda tinham acesso a crianças. O Papa inicilamente defendeu um Bispo Chileno. Mas depois das investigações do Vaticano, Francisco pediu desculpas aos sobreviventes e pediu para encontrar com os Bispos pessoalmente. O Papa escreveu uma carta contundente aos Bispos chilenos criticando-os por um encobrimento sistemático dos abusos.

Francisco, na carta de convocação das reuniões que ocorreram Vaticano, escreve relata sobre  “O recebimento, na semana passada, dos últimos documentos que completam o relatório que os meus dois enviados especiais ao Chile me entregaram a 20 de março de 2018, num total de mais de 2.300 páginas”. O Papa anteriormente havia recebido em Roma as vítimas e seus famíliares.

Bispos chilenos colocam nas mãos do Papa seus cargos pastorais

“Todos os bispos presentes em Roma, por escrito, colocaram as nossas posições nas mãos do Santo Padre para que ele decida livremente em relação a cada um de nós”: foi o anúncio dos bispos chilenos depois de discernir na presença de Deus “a responsabilidade de todos e cada um”pelos feridas devastadoras causadas às vítimas de abuso, bem como pelo”estudo de mudanças adequadas e duradouras que impedem a repetição de atos sempre repreensíveis”, como o Papa expressara na carta de convocação das reuniões que ocorreram no Vaticano.

Os prelados do episcopado sul-americano fizeram uma declaração à imprensa comunicando os resultados dos três dias de discernimento, oração e conversações com o Santo Padre Francisco, que, por sua vez, conforme anunciado pela Assessoria de Imprensa da Santa Sé no comunicado de imprensa no sábado, 12, “não fará qualquer declaração antes, durante ou após as conversações”, mas entregou uma carta aos bispos, tornada pública após a última reunião da tarde de quinta-feira, na qual ele agradeceu ao disponibilidade manifestada “aderir e colaborar em todas as mudanças e resoluções” necessárias para restaurar a justiça e a comunhão eclesial, para implementar “a curto, médio e longo prazo”.

Declaração final dos Bispos da Conferencia Episcopal Chilena

O Bispo de San Bernardo Dom Juan Ignacio González Ezzáruriz leu na conferência de imprensa, em espanhol, a conclusão a que chegaram os bispos, a que nos referimos a seguir:

Depois de três dias de reuniões com o Santo Padre, e muitas horas dedicadas à meditação e oração, seguindo suas instruções, os Bispos do Chile desejam comunicar o seguinte:

Em primeiro lugar, agradecemos ao Papa Francisco pela sua escuta paterna e pela sua correção fraterna. Mas, especialmente, queremos nos desculpar pela dor causada às vítimas, ao Papa, ao povo de Deus e ao país por nossos graves erros e omissões.

Agradeço também a Monsenhor Scicluna e ao Rev. Jordi Bertomeu pela dedicação pessoal e pastoral, bem como pelo esforço investido nas últimas semanas para tentar curar as feridas da sociedade e da Igreja de nosso país.

Graças às vítimas, por sua perseverança e coragem, apesar das enormes dificuldades pessoais, espirituais, sociais e familiares que tiveram que enfrentar, tantas vezes em meio à incompreensão e aos ataques da própria comunidade eclesial. Mais uma vez, imploramos seu perdão e sua ajuda para continuar avançando no caminho da cura e cura de feridas.

Em segundo lugar, queremos anunciar que todos os bispos presentes em Roma, por escrito, colocaram as nossas posições nas mãos do Santo Padre para que ele decida livremente em relação a cada um de nós.

Nos colocamos a caminho, sabendo que esses dias de diálogo honesto foram um marco em um processo de profunda mudança, liderado pelo Papa Francisco. Em comunhão com ele, queremos restaurar a justiça e contribuir para a reparação dos danos causados, para re-impulsionar a missão profética da Igreja no Chile, cujo centro deve estar sempre em Cristo.Ci

Queremos que o rosto do Senhor brilhe novamente em nossa Igreja e nos comprometemos com isso. Com humildade e esperança, pedimos a todos que nos ajudem a percorrer este caminho.

Seguindo a recomendação do Santo Padre, imploramos a Deus que nestas horas difíceis e esperançosas, nossa Igreja seja protegida pelo Senhor e Nossa Senhora do Monte Carmelo.

Los obispos de la Conferencia Episcopal de Chile en Roma

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui