Nos Passos de Francisco – Devoções Franciscanas

998
Imagem: Detalhe da pintura de Murillo Bartolomé, “Francisco abraçando o Crucificado” (1668)

Aos franciscanos se deve o cerimonial da Bênção do Santíssimo Sacramento que até hoje se observa e a Frei Querubim de Spoleto (1484) a fundação da Irmandade do Santíssimo Sacramento que acompanha até hoje o pálio do Santíssimo nas procissões e em outros momentos celebrativo. A Devoção das Quarenta Horas devemos ao capuchinho Frei José de Fermo (1556) e as normas que regulam as Quarenta Horas a São Carlos Borromeu (1584), que era da Ordem Franciscana Secular. “Foi Santa Jacinta de Mariscotti (1640), religiosa franciscana, que introduziu a excelente devoção de prestar homenagem a Jesus Sacramentado na Itália e Espanha” (Sterck p.25). São Pascoal Bailão, como já citamos, foi proclamado patrono especial dos Congressos Eucarísticos, por Leão XIII em 28 de novembro de 1897.

Desde os inícios da Ordem, os franciscanos difundiram a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. A tradição conta que a Bem-Aventurada Virgem Maria apareceu a Santo Antônio e mostrou-lhe um coração coroado de espinhos com a imagem de Jesus Crucificado, emoldurado no cordão de São Francisco. São Boaventura, em sua “Vitis Mistica” escreve belas páginas sobre o Sagrado Coração. Nosso Senhor Jesus Cristo apareceu ao Beato João de Alverne (1322) e, mostrou seu adorável coração envolto em raios de luz que iluminaram a floresta do Monte Alverne e adjacências. Dois santos terceiros franciscanos, São João Eudes (1680), compôs a ladainha do Sagrado Coração de Jesus; e Santa Margarida Maria Alacoque (1690), numa visão, escolheu São Francisco como especial patrono e protetor da sua devoção ao Sagrado Coração.

“A devoção ao Santíssimo Nome de Jesus, espalhada sobretudo na América do Norte, é franciscana na sua origem; conhecida e praticada na Ordem, deve-se aos esforços de São Bernardino de Sena e São João de Capistrano a popularidade alcançada por esta devoção no século XV. A esses dois santos e seus companheiros devemos o célebre monograma J.H.S, tão familiar aos católicos. Desde 1530, por concessão do Papa Clemente VIII, a festa do Santíssimo Nome era celebrada em janeiro pela Ordem, e no pontificado de Inocêncio VIII, foi dirigida a toda Igreja. Foram os franciscanos também os primeiros a popularizar as Festas da Transfiguração e da Santíssima Trindade” (Sterck, 27).

Continua

Frei Vitorio Mazzuco Filho

Fonte: Carisma Franciscano Blogspot

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui