Como Mulheres Consagradas, Esperançar e Amar!

624

“Há processos que sem a psicologia nunca começam… mas, sem a espiritualidade, nenhum deles chega até o fim”. Victor Frankl

Com alegria e o coração cheio amor e esperança, nós junioristas e as irmãs acompanhantes, nos dias 28 a 30 de janeiro de 2022, realizamos nosso encontro anual. O tema condutor foi “a vivência da afetividade e da sexualidade como mulheres consagradas”. Contamos com a presença e assessoria da irmã Annette Havenne, da Congregação das Irmãs de Santa Maria.

Já de entrada, fomos bem acolhidas com o sorriso e a alegria de cada uma. Irmã Marlene Chiudini recordou o desejo que tínhamos de nos encontrar presencialmente e nos convidou a contemplar as sementes lançadas que, sendo acolhidas e cuidadas, percebemos frutificar em nossa caminhada. Com esta motivação, acolhemos Irmã Girlaine que fez sua profissão religiosa em dezembro de 2021 e participa de nosso encontro pela primeira vez. Sua Alegria contagiou todo o grupo e, com certeza, na partilha de vida e de sonhos enriquecerá as nossas vivências!

O momento orante nos motivou a adentrarmos nas memórias do ano de 2021, recordando o perfume exalado nas experiências vividas. Assim, adentramos na realidade de cada uma… Como foi bom abrir essa janela e contemplar o nosso jardim! A música “Meu Jardim”, de Vander Lee, nos inspirou nesse movimento.

“Como manter a esperança em tempos de fragmentação?”. Com esse questionamento, irmã Annette introduziu o tema, destacando que vivemos em tempos de fragmentação. E, passar da fragmentação que atinge nosso planeta, nossos países, nossa Igreja, congregação, comunidade, vida pessoal… para a firmeza da esperança é, sem dúvida, a maturação humana e espiritual que desejamos vivenciar ao longo do percurso da vida.

Durante o encontro, fomos incentivadas responder: quem eu sou? Nesse sentido, só se descobre o “eu” quando se descobre a graça do “tu”. Na alegria de sermos mulheres consagradas, a cada dia do encontro fomos lançando luzes sobre a vivência da intimidade nas relações, que nos impulsiona ao amor de reciprocidade, que é gratuito e fraterno; ao amor de cuidado, que humaniza e fortalece o vínculo e se torna expressão do amor por opção pela Jesus Cristo e pelo Reino.

A relação de intimidade abrange muitas outras relações humanizantes: relação com Deus, o grande “Outro”, com os pais, os filhos, @s companheir@s de jornada numa comunidade fé, as relações de ajuda no campo físico, psicológico ou espiritual, todas as relações onde pessoas se unem em torno de um ideal comum.

Diante do novo “normal” que estamos vivendo, somos provocadas a reinventar nosso estilo de vida como comunidades em missão, transformando-se numa nova saída humana e espiritual para a Vida Consagrada. De fato, neste momento, em meio a enormes dificuldades, estão aparecendo entre nós novas oportunidades de relação, de trabalho, de formação, de vida espiritual. Novas formas de pobreza provocam novos apelos missionários que alargam a vida, os corações, as possibilidades de evangelização. Somos convidadas a reler o carisma, a missão, o tesouro espiritual, a história, não apenas da nossa congregação, mas da Vida Consagrada como um todo, em busca de esperança.

Irmã Annette nos agraciou com a prece que segue:

“Peçamos neste tempo de pandemia e de tantas outras crises, que Jesus venha com seu Espírito, para renovar, refundar, reinventar, ressignificar o zelo pela casa comum do planeta terra, mas também da casa comum da Igreja, do carisma da Vida Consagrada, da nossa congregação.

Que possamos vivenciar estas trilhas desafiadoras como um esperançar proativo e não um esperar passivo! Eis o discernimento que vai nos projetar para um novo “advento”, para um horizonte de sentido, com a certeza de fé que Jesus vem ao nosso encontro e que o seu Espírito caminha na nossa frente.”

Por fim, chegou a hora de planejar e, atentas ao Itinerário de Formação, foi necessário redimensionar a organização dos grupos, de forma a favorecer a convivência intercultural e o acompanhamento personalizado.

Nossa gratidão às irmãs acompanhantes, que de forma precisa atenderam o pedido para esta formação tão necessária, e à irmã Annette Havenne por esses dois dias, em que nos provocou, inquietou e em alguns momentos nos silenciou com suas reflexões.

E a nós, junioristas, que mesmo diante de algumas adversidades, priorizamos estes momentos que significaram muito para todas nós.

Concluímos o encontro partilhando um símbolo que nos acompanhará como fonte de inspiração durante este ano em nossa caminhada. Seguimos com o coração agradecido por este encontro, já sonhando com nosso próximo encontro em julho.

Por: Irmã Regina Maria Cazaroto

Fonte: CICAF

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui