Encontro das irmãs junioristas: colhendo novos começos…

91

“Ser defensoras do território é cuidar umas das outras.”

No final de semana dos dias 24 e 25 de julho, as irmãs junioristas se encontraram, “na beira das águas correntes” (Sl 1, 3), juntamente com as irmãs que ajudam a criar raízes profundas do “Sim” dentro da Congregação Irmãs Catequistas Franciscanas. Fomos agraciadas com uma acolhida feita na alegria, no entusiasmo, nas cores diversas manifestadas em cada rosto. Tudo isso pela plataforma do Google Meet.

De uma forma inesperada, fomos surpreendidas com a criatividade na oração inicial e, desde aí, percebemos o quão importante é escutar. Escutar… até conseguir ouvir o inaudível! “O som das flores se abrindo, o som do sol esquentando a terra, o som do orvalho se formando”. Com a parábola “o Som da Floresta”, fomos motivadas e ao mesmo desafiadas à escuta do inaudível na apresentação de cada Juniorista.

A partilha da vivência de cada uma, focada no compromisso com a Justiça Socioambiental, deu continuidade ao tema que foi estudado, aprofundado esclarecido pela professora Márcia Maria de Oliveira, no encontro do início do ano 2021. Portanto, cada uma trouxe suas buscas, seus esforços, até mesmo as suas renúncias para poder cuidar e tornar o mundo diferente e melhor ao seu redor. Como já sabemos, estamos no tempo crucial, em que nosso planeta Terra experimenta uma crise sistêmica de complexidade crescente. Em vista disso, temos consciência de que somos seres sobreviventes nesse mundo repleto de belezas, diversidades, ensinamentos, mas que se encontra tóxico, desequilibrado, destruído.

Na escuta do inaudível, percebemos que cada espécie existente no ciclo Criação tem sua função no equilíbrio do bem e do mal, ou seja, participa na dinâmica da construção e desconstrução, da criação e recriação da vida. Como é importante cuidar, preservar e lutar pelos mangues; cultivar pomares e hortaliças para nosso bem, pois o bem continuará em gerações futuras! Resistir com toda força e sabedoria em meio às ameaças provocadas pela extração de minérios. É preciso ter cuidado e cautela no uso de produtos químicos que, aos poucos, corroem a saúde. Somos convidadas a fortalecer a opção por uma alimentação saudável, tanto em seu modo de produção quanto de consumo.

Nessa imensa escuridão em que estamos imersas e que aumenta cada vez mais, encontramos algumas luzes, através de iniciativas, compromissos pessoais e coletivos, cursos… Como exemplo, citamos o curso “Animadores Laudato Si” promovido Movimento Católico Global pelo Clima. Animadoras Luadato Si são pessoas que sentem de maneira especial o chamado à ecologia integral, sentindo “forte dentro de si o grito dos pobres e da terra”. No cuidado da Casa Comum, vamos percebendo a importância da mudança de atitudes. A política dos 5R’s pode trazer inspirações para essa vivência no cotidiano: repensar hábitos de consumo e descarte; recusar produtos que prejudiquem o meio ambiente e a saúde; reduzir o consumo desnecessário; reutilizar e recuperar o máximo antes de descartar e reciclar tudo o que for possível.

Porém, estamos sendo desafiadas pelo ritmo cotidiano, com tempo insuficiente para o “descanso”, para a contemplação, para a gratuidade. O mundo está sendo destruído pela busca desenfreada da riqueza, que gera desigualdade muito grande.

Na companhia de São Francisco de Assis, enriquecemos nossa e esperança de continuarmos a missão! Mesmo não conseguindo mudar de forma extraordinária, permanecemos na dinâmica do cuidado! Em meio aos trabalhos acadêmicos e pastorais que, aos poucos estão retornando, e mesmo no período de férias das irmãs do Congo, entrelaçamos e fortalecemos os fios de unidade, de comunhão entre nós. Para isso, também ajudou o trabalho em pequenos grupos. Foram espaços de deixar o coração falar, de fazer ressonâncias do que escutamos, de escutar as companheiras, de nos entreajudar e nos deixar provocar diante da reorganização da congregação que estamos vivenciando.

Agradecemos a presença e as palavras marcantes e inspiradoras da Irmã Ana Pereira de Macedo; os momentos de recreação, que possibilitaram nos divertimos e nos alegrarmos; de modo especial, os momentos orantes, que foram de profundas reflexões e dinâmicas. Um momento muito marcante foi a celebração de envio e comunhão com irmã Gabriela Noj Nij, que fará Votos Definitivos em outubro de 2021.

Gratidão às irmãs e familiares da República Democrática do Congo que nos visitaram. O encontro foi fecundo! Com certeza, alguma coisa transformou em nós. Como estamos na dinâmica da Vida, sempre somos convidadas a regressar à floresta de nossa vida pessoal e comunitária, que é espaço sagrado, para não perder a prática da escuta do inaudível.

Por: Irmã Juciele Aguiar Moura

Fonte: CICAF

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui