Inspirados na Laudato Si’, leigos promovem reflorestamento da Caatinga paraibana

40

Inspirados na encíclica do Papa Francisco, Laudato si’, um grupo de leigos católicos da Diocese de Patos (PB) deu início a uma ação de distribuição e plantio de mudas, a maior parte delas de espécies da Caatinga – bioma característico da região e único exclusivamente brasileiro – mas também de árvores frutíferas como umbu, graviola e goiaba.

Em apenas duas incursões realizadas neste mês de janeiro, a equipe plantou cerca de 70 mudas, beneficiando diretamente três comunidades de Malta (PB), cidade que fica a 332 quilômetros da capital, João Pessoa. A iniciativa da Igreja local é realizada em parceria com técnicos da Empresa Paraibana de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer).

A última mobilização do grupo ocorreu nesta quarta-feira (22), no Assentamento Padre Acácio. Nesse local, foram plantadas 25 mudas e, além disso, foi feito um trabalho de apoio e conscientização dos moradores.

As ações de distribuição e plantio de mudas de árvores faz parte das atividades da Comissão de Estudo da Encíclica Laudato Si’, que por sua vez integra o projeto “Cuidando da nossa Casa Comum” da Diocese de Patos. A iniciativa é financiada pela Misereor, entidade cristã com sede na Alemanha, e tem o apoio do bispo diocesano, dom Eraldo Bispo da Silva.

“A ideia do grupo é estudar e aprofundar o que diz o Papa Francisco no referido documento, mas também colocar em prática esses ensinamentos, seja na vida pessoal, com mudanças de atitudes diárias, seja em ações coletivas e comunitárias que tenham também um papel pedagógico”, explica o coordenador adjunto do projeto, José de Anchieta.

A comissão de leigos deve voltar a campo com ações especiais de plantio na Semana da Água, em março; no Dia Nacional da Caatinga, 28 de abril; e no Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho.

“As comunidades interessadas podem nos procurar por meio das comissões municipais de acompanhamento do projeto ou até mesmo por meio das prefeituras e fazer a solicitação das mudas que iremos atendê-las independente dessas datas simbólicas já agendadas”, afirma Anchieta.

Fonte: CNBB

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui