Na Tenda Franciscana, um relato emocionante

602

Desde o início da pandemia no Brasil, os freis franciscanos começaram a Ação Franciscana, por meio do Serviço Franciscano de Solidariedade (SEFRAS), da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, em prol dos moradores em situação de rua. O atendimento no Convento São Francisco, centro de São Paulo, começou com a distribuição de aproximadamente 100 quentinhas por dia. Atualmente já são mais de 3000 refeições. Um dos freis que está na linha de frente desta ação social é o franciscano Frei Diego Melo, que há 15 dias iniciou também no Largo da Carioca, centro do Rio de Janeiro, uma nova “Tenda Franciscana”. Neste final de semana, Frei Diego nos brindou com este lindo e emocionante relato, do senhor Marcos da Silva, um dos atendidos da #AçãoFranciscana.

Leia abaixo na íntegra!

Para a sociedade o meu nome é lixo

Rio de Janeiro, 13 de junho, dia de Santo Antônio, sol forte.

Enquanto organizávamos as coisas para servir o almoço, no Largo da Carioca, aos irmãos em situação de rua, ouço alguém gritando meu nome ao longe. Um homem se aproxima dizendo forte: “Frei Diego, eu vim até aqui pra te dar isso.” O rosto me é conhecido. De imediato, pergunto o seu nome. Ele me diz: “frei, você quer saber o meu nome para a sociedade ou o meu nome para você?” Lhe respondo que estou lembrando dele, só me falta o nome. Ele dispara: “Frei Diego, para a sociedade o meu nome é lixo, mas para você, o meu nome é Marcos da Silva.”

Suas palavras fortes machucam e comovem. Naquele instante lembro-me dele, da Tenda Franciscana de SP. Pergunto o que ele estava fazendo aqui no Rio. Orgulhoso, ele confessa: “Frei, quando soube que você tinha vindo para o Rio, decidi vir te procurar para te dar esse presente.” Da mochila velha e rasgada, ele tira e me dá uma imagem de Nossa Senhora Aparecida. Sem palavras e emocionado, percebo que aquele era um encontro forte, com toque divino. “Frei, lembra das vezes que nós conversamos lá em SP? Das vezes que você disse que gostava de fazer caminhada, assim como eu, e que até combinamos de um dia caminhar juntos até Aparecida? Pois é, quando eu soube que você tinha vindo para o Rio, eu decidi vir te agradecer por tudo o que você fez por mim, pelas conversas e pelas vezes que você parava para conversar comigo na fila do almoço. Gastei 8 dias de viagem, entre muita caminhada e algumas poucas caronas. Mas hoje tô realizado porque eu te reencontrei.”

Ele começa a chorar e me dá um abraço apertado. Meio sem saber o que pensar ou dizer, sinto um nó na garganta e uma vontade imensa de chorar.

Digo a ele da minha alegria de tê-lo reencontrado e vê-lo bem. Ele me pergunta: “Gostou, frei? Eu tava feio depois desses dias todos de caminhada. Mas ontem à noite eu cortei o cabelo e fiz a barba para poder te reencontrar.”

Depois disso, lhe informo que o almoço já seria servido. Ele recusa. Apenas pede 10 reais para chegar até Nova Iguaçu-RJ, de onde começará a sua caminhada de volta a SP. No meio da correria do almoço, despeço-me dele meio que sem saber como retribuir tamanha demonstração de carinho e afeto. A sensação de que sou tão pequeno diante da grandiosidade daquele homem toma conta de mim.

Depois desse encontro, fiquei pensando o quanto um pouco de atenção pode tocar profundamente a vida das pessoas. Dei-me conta, mais do que nunca, de que a Tenda Franciscana não distribui apenas quentinhas. Entendi que a fome de atenção, carinho e empatia talvez incomode mais do que a falta de comida.

Por isso, compartilho essa experiência tão forte e intensa com todos (as) que com o Sefras e a Província Franciscana tem saciado a fome de tanta gente. Aos Frades, irmãs, voluntários (as), trabalhadores, benfeitores e doadores, e principalmente aos irmãos e irmãs que estão nas ruas, só posso dizer que juntos, nessa grande rede de Solidariedade, estamos descobrindo um novo jeito de ser e estar no mundo. O reconhecimento do Marcos não foi só para mim, mas para todos nós. No fundo, somos apenas instrumentos de um amor muito maior do que nós, o amor de Deus.

Na verdade, todos estamos com muita fome: alguns de pão, outros de amor e outros de atenção. Queira Deus que possamos continuar partilhando dessa mesma mesa da solidariedade de onde todos saem saciados.

Por Frei Diego Melo

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui