Novas formas e a novidade da forma de vida abraçada por Francisco

240

Foto: franciscanos.org.br

Encontro da UCLAF começa com memória histórica e provocações sobre as Novas Formas de Evangelização hoje

Lima  (Peru) –  A memória do caminho percorrido pela Ordem na América Latina até a atualidade, especialmente após o Concílio Vaticano II, e as provocações que a realidade atual apresenta aos franciscanos no Continente ocuparam a atenção dos participantes do Encontro “Novas formas de presença, vida e evangelização hoje na América Latina”, aberto nesta segunda-feira, 26 de junho, na Casa de Retiro São Francisco Solano, em Lima, Peru. Nas palavras iniciais, o Presidente da UCLAF, Frei Daniel Fleitas, agradeceu a presença de todos e a acolhida por parte da Província São Francisco Solano, do Peru, e também apresentou uma série de provocações à presença dos frades na América Latina, recordando a importância do cultivo de um testemunho radical do Evangelho, marcado pela profecia e pela ousadia. Nesta direção, de acordo com Frei Daniel, as entidades e fraternidades são convocadas a aprofundar e qualificar a missão evangelizadora, colocando-se com humildade à escuta do Evangelho e do Povo. “Que Ordem sonhamos para a América Latina?”, questionou.

Também desejando boas-vindas aos participantes, o Secretário Geral para a Missão e a Evangelização, Frei Francisco Gómez, destacou algumas preocupações centrais que devem ser levadas em conta quando se reflete sobre o tema das novas formas de Evangelização. Lembrou que o grande desafio é o de reforçar a compreensão de que as novas formas privilegiam a constituição de fraternidades inseridas em meios populares, partilhando a vida do povo simples e que sejam fraternidades de vida e evangelização hoje, atentas aos desafios do tempo atual.

Frei Francisco aproveitou a ocasião ainda para reforçar os objetivos e a metodologia do encontro: – Objetivo Geral: Atualizar e revitalizar nossa forma de vida e evangelização como irmãos menores, para continuar e caminho de discernimento e optar criativamente, por fraternidades de vida e de Evangelização, hoje, na América Latina coa a graça do Espírito Santo e em escuta sinodal.

Memória e Contexto Histórico

Na perspectiva de apresentar um percurso de memória histórica da Ordem na América Latina, com ênfase no pós-Vaticano II, Frei Guido Zegarra, da Província dos Doze Apóstolos, do Peru, iniciou sua apresentação destacando as principais transformações que as propostas do Concílio trouxeram para a Vida Consagrada e, consequentemente, para a Vida Franciscana. Destacou o quanto as provocações conciliares, assumidas pela Conferência de Medellín, puderam orientar um reposicionamento da Vida Religiosa no Continente. A caminhada da Missão Profético-Franciscana na América Latina também foi abordada pelo palestrante, que chamou a atenção para a sintonia entre a caminhada da Igreja e da Ordem no amadurecimento das opções decorrentes do compromisso evangélico assumido em solo latino-americano.

Percorrendo os temas e provocações da UCLAF nas Assembleias realizadas em seus 56 anos de fundação, procurou sintetizar o grande desafio que a caminhada deste organismo apresenta à Missão Evangelizadora da Ordem no Continente, em consonância com o apelo do Papa Francisco em direção a uma “Igreja em saída”.

Foto: franciscanos.org.br

As novas formas são a nossa forma de vida que herdamos de Francisco

Falando por videoconferência direto da Califórnia, Estados Unidos, onde está em visita, o Ministro Geral, Frei Massimo Fusarelli, encorajou os participantes a trazerem o Dom da Fraternidade e a vida de fé para o centro de seus trabalhos e reflexões nestes dias. Atentos ao risco de pensar a partir de uma separação entre fé vida, convocou os frades a “manter unidas a fé e a vida, a aprender a ler com fé a realidade da vida das pessoas de hoje e do mundo”.

Para encerrar sua exortação, o Ministro Geral explicou que a proposta de abraçar novas formas “trata-se precisamente de viver segundo os fundamentos da nossa vocação e, a partir daí, fazer escolhas concretas que tenham impacto”. Ao final, manifestou as boas expectativas em relação ao encontro da UCLAF: “Espero que, na América Latina, onde essas fraternidades têm uma longa história e um grande impulso, esta pequena chama da vida franciscana possa ser reavivada e expressa em novas formas, que na verdade são antigas, é simplesmente que a vida segundo o Evangelho que Francisco Declara que a recebeu como vocação própria e de seus irmãos”.

O caminho da UCLAF nos últimos anos

O Definidor Geral para a América Latina, Frei César Külkamp, encerrou o ciclo de apresentações da parte da manhã, trazendo alguns aspectos importantes da caminhada da UCLAF nos últimos anos. Em sua fala, apresentou uma síntese da realidade da Ordem na América Latina a partir das conclusões das Assembleias da UCLAF de 2020 e 2023. Segundo Frei César, Percebe-se que as entidades têm realizado um esforço de buscar novas formas de evangelização que possam responder aos novos desafios da realidade eclesial, social, política e econômica, partindo da identidade do carisma. Tal empenho, no entanto, não as impede de reconhecer as diversas dificuldades encontradas, entre elas, o fenômeno da secularização, a crise existencial, a manutenção das grandes obras e estruturas e a diminuição numérica.

Destacou, ainda, que, no horizonte da reflexão, existem alguns temas recorrentes, entre eles a inserção entre os pobres e marginalizados, a defesa dos direitos humanos e da dignidade, o cuidado com a Casa Comum e a presença Franciscana na Amazônia.

O Vigário Provincial, Frei Gustavo Medella, participa representando a Província da Imaculada Conceição

Fonte: franciscanosamazonia.org.br

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui