Três defeitos que tornam muitas das confissões inúteis

280
Escrito por Frederico –

Queridos irmãos, quero contar-lhes sobre três defeitos que tornam a maioria das confissões inúteis, se não sacrílegas: 1ª) falta de luz na alma , isto é, cegueira em relação a alguns dos nossos pecados; 2º) falta de sinceridade em manifestá-los; 3º)  falta de dor de contrição, de sincero arrependimento.*

Falta de luz no exame de consciência

O principal inconveniente que o homem tem é a falta de conhecimento de si mesmo , que é um grande obstáculo à confissão; e a razão para isso é que não nos examinamos com maturidade e tempo suficientes; que quando nos examinamos, fazemos isso principalmente a partir de nossas preocupações pessoais e raramente nos examinamos s partir de nossas obrigações.

O exame de nossas ações deve ser constante. Nossa vida deve ser um exame contínuo e secreto, um exercício de censura firme de nossas ações, desejos e pensamentos. Entretanto é a inconstância que nos domina, desejos desordenados que se acumulam em nossos corações, ciúmes, medos, esperanças, alegrias, tristezas, amor e ódio. E assim todas essas paixões se tornam nossos “guias”, abismo difícil de entender, e, sobretudo de prescrutar. Estamos, pois, neste particular, sempre na superfície.

É extremamente necessário uma vigilância contínua em todas as ações e sempre prontos para fazer uma verdadeira confissão. Essa vigilância contínua é o que nos propicia apropriadamente para uma boa confissão. É necessário se acostumar a levar em conta continuamente nossas ações, a entrar em juízo com nossos corações naqueles momentos de tranquilidade e silêncio do dia, que são os mais apropriados para isso. Quão importante é o exame diário, no final do dia, para apresentar nossa alma em nossas mãos ao Senhor, para, em Sua presença, bem percebermos o uso que fizemos do dia que passou. Assim, com esses exames diários de nossa consciência, nos tornamos familiares, por assim dizer, com nós mesmos, estando sempre prontos para levar ao confessionário um coração provado e mil vezes examinado.

O breve exame de consciência que muitos fazem antes da confissão não é suficiente . Se formos sinceros, aceitaremos a realidade, que para muitos, sua vida é uma vida cheia de auto-esquecimentos, prazeres e cuidados pessoais; uma fuga contínua de si mesmo, para evitar refletir sobre a própria vida e estado. Nunca iluminamos nosso coração para conhecer sua verdadeira realidade. Aqui está o primeiro grande defeito das confissões, não usar o devido tempo necessário para um exame correto; apenas o breve tempo antes da confissão. Cada final de dia deveria ser um grande e sincero exame de consciência. Nosso encontro com ela…

A realidade é que o exame de consciência geralmente é feito de acordo com as preocupações de nossa auto-estima . Nós nos examinamos a partir de nossas próprias preocupações. O que deve ser examinado? Está deixando de lado os mandamentos de Deus e, no outro, a parte de nossa vida que não os seguiu; veja em cada uma de nossas ações o que o Evangelho ordena, permite ou proíbe. Mas a realidade é que, no exame de consciência, essas regras sagradas são substituídas pelas preocupações do amor-próprio.

Juntamente com o anterior, outra causa que torna a confissão inútil é que muitos   não examinam sua consciência de acordo com suas obrigações. Poucos fazem o teste com as luzes da fé e com as regras do Evangelho; cada um apresenta suas preocupações nas confissões , em vez de apresentar seus pecados. É necessário confessar os defeitos no cumprimento de obrigações pessoais, como pai, como pessoa pública, etc. Muitos não sabem em si mesmos mais do que seus defeitos pessoais.

Quantos são aqueles que vivem nesse tipo de vida que Jesus Cristo condena nos Santos Evangelhos, e então não têm quase nada a dizer em confissão; dificuldade pecaminosa em reduzir a confissão de um longo período de sua vida a um único momento. Uma alma justa confessa, com amargura no seu coração as pequenas imperfeições, e até mesmo suas virtudes são matéria de acusação e de penitência. Donde vem essa diferença entre os dois penitentes? Um vigia continuamente a custódia de seu coração, e o outro não o examina até o momento da confissão. Um é julgado à luz da fé e o outro sob  o ferrete do amor próprio. Um conhece todas as suas obrigações, refletindo sobre elas; outro, ignorando-as parcialmente, debruça-se apenas sobre algumas obrigações mais palpáveis ​​e conhecidas, em relação as quais ignora sua extensão e conseqüências.

Insinceridade em manifestar pecados

É uma grande verdade que, para muitos, a vida se parece com um verdadeiro disfarce, o que impede-a de se manifestar verdadeiramente. Eles acham difícil confessar culpa. Pois muitas confissões fazem com que se sintam descobertas na farsa de suas vidas e sintam que sua imagem falsa e vã está sendo desfigurada. A dissimulação leva à mesma confissão. Eles são aqueles que não caminham para Deus no caminho certo, e que não alcançam a penitência com a retidão e a simplicidade do coração, capaz de curar a ferida descobrindo-a, revelando-a.

O primeiro defeito de sinceridade consiste em não usar expressões claras . Eles misturam a informação do pecado com seu próprio orgulho, e não desnudam sua consciência de forma alguma. Eles pecam por falta de retidão e sinceridade. Não usam expressões claras, silenciam os motivos e princípios pelos quais eles pecaram. Seria necessário lembrar a esses penitentes que o Tribunal de Jesus Cristo os conhece muito bem, mais ainda do que suas ações e vida secretas; que Aquele que prescruta os corações, como livros abertos, vê o que de mais vergonhoso que está ali escondido.

Um segundo defeito de sinceridade consiste em não declarar as razões e os princípios das ações realizadas . Eles dizem as ações, mas não seus motivos; pecados são referidos, mas a conseqüência não se manifesta. Devemos considerar tudo o que fazemos de acordo com o motivo que nos levou a pecar, pesando nossas ações no fundo de nossas consciências; no fundo de nossas almas. O coração é aquele que decide tudo no homem; mas esse coração é aquele que, na maioria dos casos, a confissão não é capaz de desvelar.

Acontece que esses penitentes confessam, por exemplo, ter falado mal do próximo, mas não dizem que a razão tenha sido a inveja que sentem por ele; eles confessam sua raiva com tal pessoa, mas não dizem nada de seus próprios gostos frívolos e pecaminosos, que são a causa da raiva. Em resumo, não revelam os combates secretos entre a fraqueza da carne e o coração. Geralmente acontece nesses casos que é o confessor quem tem que adivinhar o estado da alma do penitente.

Uma falha final na falta de sinceridade está em ações duvidosas, que são sempre expostos em favor do penitente. O que acontece, na verdade, é que eles não querem romper definitivamente com paixões pessoais e, ao mesmo tempo, querem ter uma consciência limpa: Nesse estado de infidelidade, o que se busca é uma sentença favorável. Escondem-se ou distorcem-se os fatos (circunstâncias e verdadeiras causas dos pecados) para que o confessor não os condene. Eles sempre se manifestam com uma aparência falsa, escondendo sua própria realidade, substituindo-a pelo que gostariam ou imaginariam ser o ideal; Eles manifestam uma consciência que é realmente falsa. Desta forma, é impossível para eles sentir o alívio sentido pela alma verdadeiramente triste, a paz da alma, a serenidade da consciência.

Ausência de dor que nasce do verdadeiro arrependimento

A dor é a alma e a verdade da confissão . Os acima mencionados, sendo importantes, são apenas disposições externas de penitência. A dor da contrição é um movimento da graça de Deus e não da natureza. Necessariamente surge no penitente uma verdadeira abominação do pecado , uma verdadeira dor interna fruto do Espírito que ilumina o penitente com a luz da fé para descobrir no seu pecado o crime cometido contra Deus, bem como os infortúnios decorrentes do pecado. Por sua vez, essa dor deve ser o começo de um amor novo e sincero que faz com que o penitente odeie verdadeiramente  sua culpa.

A maioria dos penitentes se confessa sob fortíssima influência de seu amor próprio, em que o Espírito Santo não tem parte. Eles sentem mais o embaraço e a preocupação de confessar seus pecados do que a dor pela ofensa a Deus. Eles confundem seu orgulho com seu arrependimento; o desconforto que sentem em confessar o arrependimento sincero necessário para isso; Eles confundem a inconveniência de confessar com a dor de seus pecados. Eles estão orgulhosos e confusos e acreditam que estão motivados e penitentes.

A verdadeira dor dos pecados é uma resolução sincera para acabar com os distúrbios que levam ao pecado e iniciar uma vida santa e irrepreensível. A pergunta de Jesus Cristo para os doentes: Você quer ser curado? Pode parecer inútil, porque é o que o paciente quer. Mas nem todo mundo quer se curar da doença de sua alma. Quando o penitente se dirige à confissão, ele deve dar testemunho a si mesmo de que verdadeiramente deseja se curar; isto é, ele quer renunciar às suas paixões e seguir o caminho da piedade. A consciência não pode se iludir e sabe muito bem se o propósito de uma nova vida é verdadeiro; os prelúdios de uma conversão e uma renovação sincera dos costumes têm suas próprias manifestações que não deixam margem para dúvidas.

Queridos irmãos, estes são os princípios mais comuns que tornam o sacramento da penitência inútil. Nos falta luz no exame de consciência, sinceridade em manifestar pecados e dor no arrependimento. Vamos entrar dentro de nós mesmos, vamos lembrar diante de Deus de toda a nossa vida e da história secreta da nossa consciência. Vamos rever o número de confissões feitas, muitas repetidas e muitas inúteis. As paixões de hoje na alma são feridas da infância que envelheceram conosco. Hoje muitos são tão sensuais, orgulhosos e dissolutos como no começo de suas vidas. Nada mudou, nem suas repetidas confissões foram bem sucedidas; eles eram confissões inúteis. A vida os levou de um lugar para outro, mas sua paixão vergonhosa seguiu para onde eles foram.

Será que vamos acabar dizendo: minha vida é um pecado contínuo, diferente apenas pelos diferentes estados e circunstâncias. Deus me livre. Nós sabemos o que fazer para evitá-lo.

 

 

 

 

 

 

Ave Maria Puríssima!

Sem pecado Concebida!

*Padre Juan Manuel Rodríguez de la Rosa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui