Encontro Vocacional da Paraíba discute sobre a Economia de Francisco e a Encíclica Laudato Si

191

O Serviço de Animação Vocacional (SAV) da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil promoveu, nos últimos dias 22, 23 e 24 de setembro de 2023 o encontro vocacional com os aspirantes do estado da Paraíba. Reunidos no convento de Ipuarana, localizado no município de Lagoa Seca – PB, esses jovens foram acompanhados pelo animador vocacional, Fr. Ronaldo César, OFM. O animador vocacional provocou alguns temas formativos e inerentes ao carisma da Ordem e também motivou à convivência com fraternidade franciscana do convento de Ipuarana que é um lugar privilegiado pela presença dos frades idosos da Província e também casa do Noviciado.

O encontro iniciou oficialmente na noite de sexta-feira (22/09/23) com um momento de oração e preparação para os dias seguintes. Pela oração do terço, a Mãe de Jesus pelo título da Imaculada Conceição foi recordada, ela que é padroeira da Ordem dos Frades Menores.

No dia do sábado (23/09) pela manhã os jovens contaram com a presença do professor Dr. José Luciano Albino Barbosa, Chefe de Gabinete da Reitoria da UEPB, estudioso das áreas de antropologia e sociologia. Ele falou sobre os 10 princípios da Economia de Francisco e Clara e como isso está relacionado com os cenários sócio, politico, ecológico e religioso atualmente. Introduzidos ao histórico da economia ocidental capitalista dos últimos séculos, os jovens foram levados a discutir dois documentos da Igreja Católica, a encíclica Rerum Novarum (1891) do Papa Leão XIII, que trazia ao seio da Igreja as questões operárias e o começo da preocupação com uma Doutrina Social da Igreja Católica, e o principal documento da discussão, a encíclica Laudato Si (2015), do Papa Francisco, que invoca as posições da Igreja Católica sobre os cuidados com a Casa Comum, lar primordial da humanidade e na qual se desenrolam diversas gerações humanas, cristãs e não cristãs. Refletiu-se que é necessário pensar uma Nova Economia Humana como alternativa para o desenvolvimento das comunidades, com base e exemplo em São Francisco e Santa Clara de Assis. Esse estudo visa responder uma pergunta pertinente nos dias atuais: o que constitui as posições dos filhos de Deus nas sociedades frente às crises humanitárias causadas por enchentes, ondas de calor, destruição de habitats e exploração desenfreada do capital? Entendeu-se que todos esses documentos são exemplos do que constitui a “Doutrina Social da Igreja”, que não é uma posição contínua e imutável dos cristãos, mas compêndios de interesse da Igreja em se colocar diante dos problemas contemporâneos que surgem e que afetam não só a espiritualidade, a política e a economia, mas a Vida, dom imprescindível a todos.

Na tarde do sábado foi visto o filme “A Carta” que mostra como a Carta Encíclica Laudato Si (2015) pretende unir as pessoas das diversas realidades do mundo para repensar as atitudes em relação às explorações ambientais que tem afetado a vida das comunidades. O documentário apresenta cinco personagens reais que foram convidadas a conversarem com o Papa Francisco sobre as propostas da Laudato Si. São eles: Greg e Robin, pesquisadores ambientais do Havaí, Cacique Dadá, da Amazônia, Arouna Kandé, do Senegal e Ridhima Pandey, da Índia.

Ao final, viu-se que pelo mesmo contato que Francisco de Assis teve com o Criador pela criação, todos são convidados a se voltarem para a criação como dom de vida que coloca a todos como participadores no mundo e não donos dele. Essa é uma das principais intuições da Laudato Si. Ou seja, perceber que a Criação é dom que promove a vida e é para todos o lugar em que nos fazemos humanos e irmãos e irmãs. De igual modo, o cuidado com essa Casa Comum é responsabilidade de todos pois é aí o lugar onde a esperança e o desejo de vida sempre se renovam.

No domingo o encontro foi encerrado com um momento de oração e partilha do que foi vivido e aprendido. Enfatizou-se que não somente o saber sobre a Laudato Si é importante, o maior desafio é colocá-la em prática no dia a dia como um gesto de fraternidade universal (Fratelli Tutti).

O encontro foi avaliado como importante aos aspirantes porque suscitou a percepção do amor de Deus em cada detalhe, em cada gesto, no trabalho, na alegria do encontro, na partilha, na compreensão de que todos são e devem se esforçar por ser irmãos em Cristo, a exemplo de Francisco.

Fonte: OFMSantoAntonio.org

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui