Família Franciscana se alegra com a canonização de Maria Domenica Mantovani

108

A nova santa que o Papa Francisco inscreve no Calendário da Igreja Universal neste domingo, 15 de maio de 2022, pertence à Família Franciscana em virtude de sua profissão de Regra da Terceira Ordem. As Irmãzinhas da Sagrada Família, que foram fundadas sob a orientação do pároco de Castelletto di Brenzone, o Beato Giuseppe Nascimbeni, nasceram com uma inspiração genuinamente franciscana. Elas foram formadas para a vida religiosa no mosteiro dos Terciários de São Bernardino, em Verona. O próprio título de “Irmãs Pequenas” tinha a intenção de evocar a “minoridade” do santo de Assis, escolhido por Nascimbeni como padroeiro especial do Instituto.

Maria Domenica Mantovani passou toda a sua vida em Castelletto di Brenzone (Verona), onde nasceu em 1862. Ela recebeu sua educação cristã através do catecismo e da vida paroquial. Ela aprendeu trabalho duro e generosidade com seus pais exemplares. Essas qualidades a prepararam para liderar o novo Instituto, do qual foi Superiora Geral por cerca de quarenta anos com sabedoria e prudência.

Com suas ações maternas, gentis, delicadas e firmes e o exemplo de sua vida santa, ela contribuiu decisivamente para o desenvolvimento e expansão das Irmãzinhas. Ela colaborou na elaboração das Constituições e abriu inúmeras casas para responder com caridade evangélica às emergências sociais de seu tempo. Antes de sua morte, ela teve o consolo de obter a aprovação definitiva do Instituto e de ver o trabalho continuado por cerca de 1200 irmãs presentes em 150 filiais na Itália e no exterior.

Depois de uma curta doença, ela morreu na casa-mãe em 2 de fevereiro de 1934. A Causa foi iniciada em 1968 pelo Frei Antonio Cairoli, OFM, o então Postulador Geral. Ela foi beatificada por São João Paulo II em 27 de abril de 2003.

Sepultada no cemitério de Castelletto de Brenzone; desde 1987 seu corpo incorrupto foi transladado para o mausoléu, já ocupado pelo Fundador, no interior da Casa-mãe do Instituto, naquela cidade. Sua festa foi destinada para o dia de seu trânsito.

Maria Domenica Mantovani (1862-1934)

A Serva de Deus Maria Domenica Mantovani, primogênita de quatro irmãos, nasceu em Castelletto de Brenzone, província de Verona, no dia 12 de novembro de 1862, sendo seus pais João Batista Mantovani e Prudência Zamperini. Foi batizada no dia seguinte, 13 de novembro.

Recebeu a Crisma no dia 12 de outubro de 1870 e a Primeira Comunhão no dia 4 de novembro de 1874.

Frequentou com grande proveito a escola primária, mas não pôde prosseguir os estudos por causa da pobreza da família. Supriram nela a falta de cultura os belos dotes de inteligência, vontade e grande bom senso prático. Desde criança mostrou-se muito propensa à oração e a tudo o que se referia a Deus. À base dessa profunda sensibilidade religiosa e cristã e de tanta riqueza de graça, que se desenvolveria sempre mais e irradiaria forte luz, estava o testemunho dos pais e dos familiares, gente simples, trabalhadora, honesta e rica de fé.

Fonte privilegiada, da qual a Serva de Deus bebeu em grande quantidade a sua formação cristã, foi o Catecismo que, unido aos ensinamentos da família, ajudou-a a pôr sólidas bases para, ao longo do tempo, poder construir sua personalidade humana e cristã. Casa, escola e igreja foram os campos em que foi plasmado seu caráter desde menina e deram um precioso rumo a toda a sua vida.

Transcorreu toda a juventude, até os 30 anos, na família. Cresceu sã no espírito e no corpo, distinguindo-se sempre pela bondade, docilidade, transparência de vida e singular piedade. Já nos tempos de moça, tornara-se apóstola de suas coetâneas, que formava, oferecendo-lhes boas leituras e, sobretudo, o testemunho de sua vida.

A Serva de Deus tinha 15 anos, quando o Beato José Nascimbene chegou a Castelletto, primeiro como professor e coadjutor (1877-1885), depois como pároco (1885-1922). Desde sua chegada, Nascimbene tornou-se seu diretor espiritual, seguro e lúcido, e ela sua primeira e generosa colaboradora nas muitas atividades paroquiais. Era a alma da juventude de toda a paróquia e era por todos amada e ouvida.

Dedicava-se com muito zelo ao ensino do catecismo às crianças. Visitava e assistia, com caridade evangélica, os doentes e os pobres.

Inscrita na Pia União das Filhas de Maria, foi sempre fiel na observância do Regulamento, tornando-se espelho e modelo para suas companheiras, às quais, gozando de forte ascendência, transmitia boas lições de vida.

Sendo devotíssima da Virgem Imaculada, no dia 8 de dezembro de 1886, nas mãos de seu diretor e pároco Padre José Nascimbeni, fez o voto de perpétua virgindade. A devoção para com a Virgem Imaculada foi o respiro de sua alma. A intimidade com Jesus Cristo e a contemplação da Sagrada Família tornaram-se a força de sua vida.

Desejando consagrar-se ao Senhor, chegou ao conhecimento da vontade de Deus, através do bem-aventurado Nascimbene, que a quis como colaboradora na fundação da Congregação das Pequenas Irmãs da Sagrada Família (6 de novembro de 1892). Tornou-se, assim, a co-fundadora e primeira Superiora geral.

Nas atividades paroquiais e no governo do Instituto, a Serva de Deus foi sempre de grande ajuda ao Fundador, a quem queria muito bem e de quem foi sempre fiel intérprete de seus projetos e desejos.

Contribuiu muito na elaboração das Constituições, inspiradas na Regra da Ordem Terceira Regular de São Francisco, e na formação das Irmãs. Sua colaboração e o testemunho de sua vida contribuíram de modo determinante para o desenvolvimento e expansão do Instituto. Sua obra completou à do Fundador, imprimindo na espiritualidade da nova congregação religiosa as notas características que distinguiam sua vida e seu modo de agir na Igreja e no mundo. A obra do Fundador se confundia com a da co-fundadora no inculcar nas primeiras Irmãs o carisma recebido do Espírito Santo. A ação do Beato Nascimbene era intensa, forte, enérgica; a de Maria era delicada e escondida, embora também firme e longe de qualquer fraqueza. Ambas se apoiavam em eloqüentes exemplos e pacientes esperas.

Nos escritos da Serva de Deus aparecem claras suas qualidades de mãe amorosa e boa, de mestra sábia e lúcida, zelosa e, às vezes, exigente.

Depois da morte do Fundador, ela, rica em virtude, sabedoria e prudência, continuou a guiar o Instituto, com fortaleza de ânimo, grande abandono a Deus e profundo senso de responsabilidade, desejosa de transmitir às filhas os ensinamentos do Fundador, para que o genuíno espírito das origens se conservasse e fosse vivido integralmente.

Antes de morrer, teve a consolação de ver aprovadas de forma definitiva as Constituições e o próprio Instituto, de ver a obra continuada por cerca de 1200 Irmãs espalhadas por 150 casas filiais na Itália e do exterior, dedicadas às mais variadas atividades apostólicas e caritativas.

A Serva de Deus, até o fim de seus dias, cresceu no caminho da santidade, dando provas de todas as virtudes, especialmente da humildade.

Fonte: Província Franciscana

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui