Nos Passos de Francisco: Imitação em vida e obra de Jesus

128
Imagem: Giotto di Bondone, A Confirmação da Regra, Capela de Santa Cruz, Florença

O Movimento de Assis, ao se transformar em Ordem, toma um caminho muito novo, faz o encontro entre vida ativa e contemplativa, a tal ponto que o Papa Inocêncio III tem dúvidas para aprovar este novo modo de vida, preferindo que Francisco de Assis e seus primeiros seguidores adotassem uma das regras monásticas já existentes. Um sonho intuitivo faz o Papa mudar de ideia e Francisco segue concretizando sonhos seus e dos outros. Acreditar em sonhos é saber-se um instrumento para concretizar os desígnios de Deus.

O que Francisco inicia é a prática real, a imitação em vida e obra, de Jesus e da primeira comunidade apostólica. Diz Hilarino Felder: “A finalidade da vida que Francisco de Assis inicia é sacrificar-se pelo povo como Jesus Cristo e os seus apóstolos; viver para ele, no meio dele e com ele; ser uma mesma coisa com o povo, interessar-se por suas necessidades, compartilhar suas dores e alegrias, e isto de maneira que não só não sofra a vida espiritual, mas adquira maior vigor e estabilidade, é um programa que nenhuma das Ordens anteriores conheceu. Pensar, trabalhar e viver para o povo, eis o segredo da popularidade; e quanto mais fielmente a Ordem Franciscana se cingir a este programa, melhor atingirá o seu fim, se conhecerá a si mesmas e será conhecida no mundo” ( Felder H, Os ideais de São Francisco, Vozes, Petrópolis, 1953).

A coerência de viver para o povo e com o povo a pureza original do Evangelho, fez com que a família franciscana tivesse ao longo dos séculos um número extraordinário de membros venerados como beatos, santos e bem-aventurados. Do grupo inicial temos Santo Antônio de Pádua (1231) o grande taumaturgo; Santa Clara de Assis(1253), fundadora das Clarissas e padroeira da Televisão; São Boaventura(1274), Doutor Seráfico; São Bernardino de Sena (1444), divulgador do Santíssimo Nome; São João de Capistrano (1456), herói de Belgrado; São Pascoal Bailão (1592), Patrono dos Congressos e Associações Eucarísticas; São Francisco Solano (1610), Apóstolo da América do Sul; São Benedito, o Negro,(1685); São Leonardo de Porto Maurício (1751), o Apóstolo da Itália e patrono das missões populares. Sem contar os inúmeros que morreram com fama de santidade e sofreram o martírio sem serem oficialmente aprovados pela Igreja.

Continua…

Frei Vitorio Mazzuco Filho

Fonte: Carisma Franciscano Blogspot

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui