Projeto “Estenda a mão e faça a diferença”, em Teresina (PI), presta apoio humanitário a 180 Indígenas refugiados da Venezuela

143

De 9 de setembro a 20 de dezembro de 2019, a Cáritas Arquidiocesana de Teresina (PI) desenvolveu o projeto “Estenda a mão e faça a diferença”. De acordo com a responsável pelo projeto, Lucineide Rodrigues Chaves Silva, o que motivou a Cáritas foi a tentativa de garantir direitos aos indígenas refugiados que fugiram da Venezuela em função da crise política e econômica que seu país de origem enfrenta.

Com recursos do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) oriundos da Coleta da Solidariedade da Campanha da Fraternidade 2019, coordenado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o projeto desenvolveu ações de suporte a 180 indígenas venezuelanos que estão em dois abrigos na cidade de Teresina, dentre estes 85 crianças.

“Os indígenas refugiados são criminalizados por serem da Venezuela. A invisibilidade dessa população é enorme e existe uma comunicação negativa que faz com que sofram muitos preconceitos. Frente à essa realidade, nós entramos como um apoio de solidariedade para garantir o acesso às políticas de proteção social”, disse a representante da Cáritas.

A Lucineide explica que, num primeiro momento, foi aplicado um método de controle e acompanhamento para levantar qual a real situação e as principais necessidades dos refugiados. Também foi criado um instrumental organizado com a divisão por núcleos familiares, contendo as informações básicas como nomes, números de protocolos e suas datas de validade, idade, data de nascimento e outros documentos.

De acordo com a responsável, a partir do mapeamento das demandas e necessidades, o projeto desenvolveu várias iniciativas com os indígenas, como a retirada e atualização de novos documentos, agendamento e acompanhamento às unidades básicas de saúde e arrecadação da quantidade de alimentos necessários. Levantadas as necessidades do grupo, os organizadores deram início à campanha para doações de materiais para a manutenção do abrigo (material de higiene e limpeza, alimentação, roupas e material para a produção dos artesanatos).

A Cáritas também realizou uma campanha de mobilização e formação de um grupo de voluntários para atuar nos abrigos, na comunicação com os visitantes e na recepção de doações. Os voluntários desenvolveram atividades com os adultos abrigados, organizando atividades comunitárias como limpeza, produção da alimentação e realização de oficinas produtivas e geração de renda com artesanatos típicos. Para as crianças, o projeto desenvolveu cirandas lúdicas e recreativas com pintura, brincadeiras infantis, atividades de leitura e escrita.

A coordenadora do projeto informa também que foi realizado acompanhamento junto ao poderes públicos (municipal, estadual e federal) para garantir as políticas públicas destinadas a atender a demanda dos refugiados como o atendimento à saúde, educação, trabalho e moradia.

Segundo a agente da Cáritas Arquidiocesana de Teresina, como resultado do projeto, a comunidade e o poder público foram sensibilizados para a realidade e solidariedade com os índios refugiados da Venezuela em Teresina. Ela conta que a mídia local também aderiu e apoiou as campanhas de mobilização de recursos e voluntários.

O projeto conseguiu também mobilizar apoio para a reforma parcial dos locais de abrigamento. A responsável pelo projeto destaca que os resultados só foram possíveis pelo trabalho em rede de um conjunto de organizações do poder público e da sociedade civil (CRAS, CREAS, Polícia Federal, UBS, Governo do Estado, organizações sociais).

Fundo Nacional de Solidariedade (FNS)

A Campanha da Fraternidade tem como gesto concreto a Coleta Nacional da Solidariedade, realizada no Domingo de Ramos nas comunidades de todo o Brasil. Os recursos são destinados aos Fundos Diocesanos e Nacional da Solidariedade, que apoiam projetos sociais relacionados à temática da campanha de cada ano.

Em 2019, o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) distribuiu a quantia de R$3.814.139,81, atendendo a mais de 238 projetos. Em 2020, por causa da pandemia, não ocorreu arrecadação. Conheça alguns projetos apoiados pelo FNS. O portal da CNBB está divulgando, desde o dia 10 de fevereiro de 2021, uma série de matérias sobre cada um dos projetos apoiados em 2019.

Desde 2018, o FNS disponibiliza um site onde é possível acompanhar e saber como anda a evolução da prestação de contas de cada projeto, por meio do Portal da Transparência que pode ser acessado pelo endereço: www.fns.cnbb.org.br. Nele, há uma relação completa dos projetos aprovados. A CNBB também presta contas ao Ministérios da Cidadania e Justiça do Governo Federal, ao Ministério Público e ao Conselho de Assistência Social (CAS).

Fonte: CNBB

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui