Uma Igreja sinodal: Comunhão, participação e missão

175
Abertura do Sínodo pelo Papa (Vatican Media)

A encarnação do Verbo Divino no seio da humanidade revelou o grande amor de Deus por todas as criaturas. O Ser humano, criado à sua imagem e semelhança (Gn 1,27), é a obra especial do Criador. Somos frutos do amor incondicional de Deus misericordioso que continuamente revela sua força de amor por todos nós.

Inspirados pela ação do Espírito Santo, a força do amor de Deus, somos conduzidos e inspirados para as boas obras na construção de um mundo humano e fraterno.

O Papa Francisco convoca os cristãos Católicos Apostólicos Romanos em mutirão de ações, para fortalecer a fé, incentivar a fraternidade, consolidar a alegria do evangelho na comunidade humana.

As Igrejas particulares estão convidadas a fazer a abertura do Sínodo. O Pontífice quer ouvir, dialogar, sensibilizar as pessoas no cotidiano para assumir a fé verdadeira, comprometida com a causa do Reino de Deus.

Diz o documento de preparação para o Sínodo: “O Documento Preparatório nos lembra o contexto em que este sínodo está ocorrendo – uma pandemia global, conflitos locais e internacionais, impacto crescente das mudanças climáticas, migração, várias formas de injustiça, racismo, violência, perseguições e crescentes desigualdades em toda a humanidade, para nomear alguns”.

A Igreja é chamada a fazer uma profunda revisão de vida e de ação evangelizadora para diminuir os sofrimentos, aumentar a esperança, chamar as pessoas de boa vontade para construir um mundo mais justo, solidário, sinal do Reino de Deus acontecendo no meio de nós.

Ao convocar este Sínodo (caminhar junto, comunhão), o Papa Francisco convida toda a Igreja a refletir sobre um tema que é decisivo para sua vida e missão: É precisamente este caminho de sinodalidade que Deus espera da Igreja do terceiro milênio.

A arquidiocese de Maringá, fiel ao seu Pastor, o Papa Francisco, caminha junto, em comunhão, convocando todas as pessoas de boa vontade para contribuir na busca do novo normal, para fazer valer a profecia do profeta: “Meu Servo, o justo, fara justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas” (Is 53,11).

Como Igreja somos comprometidos a viver os ensinamentos do Senhor e professar a fidelidade e comunhão de vida com Ele. O mês de outubro, mês missionário, somos convocados para assumir com coragem a caminhada de revisão que deixa o Espírito de Deus guiar a Igreja. Juntos em oração, escuta, reflexão, estudo, diálogo, inspirado pela força e alegria do Evangelho, traçar novos rumos para superar as dores da humanidade, recuperar a fraternidade, fortalecer a Igreja, sinal, Sacramento da presença de Jesus Cristo no meio de nós.

Afinal, “temos um sumo sacerdote eminente, que entrou nos céus, Jesus, o filho de Deus” (Hb 4,14). A este seguimos, obedecemos, vivemos para fortalecer as relações fraternas entre nós, como expressão magna da nossa missão, criar comunhão, caminhar juntos, sustentar a missão de todos nós.

O texto preparatório afirma: “Todos nós somos chamados em virtude do nosso Batismo a ser participantes ativos na vida da Igreja. Nas paróquias, pequenas comunidades cristãs, movimentos leigos, comunidades religiosas e outras formas de comunhão, mulheres, homens, jovens e idosos, todos somos convidados a escutar uns aos outros para ouvir os impulsos do Espírito Santo, que vem para guiar os nossos esforços humanos, dando vida e vitalidade à Igreja e conduzindo-nos a uma comunhão mais profunda para a nossa missão no mundo”.

Dessa forma, provamos nossa obediência a Cristo: “o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos” (Mc 10,45).

Essa é a Igreja que queremos: Comunhão, Participação e Missão.


Dom Severino Clasen é frade desta Província da Imaculada Conceição e Arcebispo metropolitano de Maringá e presidente do Regional Sul 4 da CNBB.

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui