Frei Jhones inicia o seu Ministério Presbiteral

95

Neste 4º domingo da Quaresma, 27 de março, Frei Jhones Lucas Martins iniciou o seu Ministério Presbiteral ao celebrar a primeira Missa, às 10 horas, na Paróquia Santo Antônio, em Macatuba, onde foi ordenado presbítero ontem por Dom Maurício Grotto de Camargo, Arcebispo de Botucatu (SP).

Frei Jeâ Andrade, animador do Serviço Vocacional da Província (SAV), fez a acolhida do povo e deu as boas vindas a todos nesta Eucaristia. Frei Jhones teve como concelebrantes o pároco Pe. Silvano Palmeira, Frei Paulo Santana, os diáconos Frei Josemberg Aranha e Frei Alan Leal de Mattos. Muitos dos seus confrades que estiveram na ordenação, participaram das Primícias, como o Ministro Provincial da Província da Imaculada Conceição, Frei Paulo Roberto Pereira e o Vigário Provincial, Frei Gustavo Medella.

Num domingo de temperatura mais amena, os paroquianos lotaram novamente a igreja, tendo ainda a presença da caravana de amigos de Frei Jhones que veio de Duque de Caxias (RJ).

Frei Jeâ explicou que é costume na Província de, na Primeira Missa, o neo-sacerdote convidar outro irmão para fazer a pregação. Por isso, Frei Jhones escolheu Frei Paulo Roberto Santana, com quem conviveu quando residiu na Fraternidade de Duque de Caxias.

Durante toda a sua homilia, Frei Paulo procurou mostrar como Francisco de Assis vê o ministério sacerdotal. Logo no início, tomou a Admoestação IV do Seráfico Pai: “Não vim para ser servido, mas para servir diz o Senhor (Mt 20,28). Aqueles que foram constituídos acima dos outros se gloriem tanto deste ofício de prelado como se tivessem sido destinados para o ofício de lavar os pés dos irmãos…”

“Nesse serviço, você clama ao Altíssimo como está no seu lema escolhido: ‘Completai em mim a obra começada’ (Sl 137,8). Este é o chamado ao qual você Frei Jhones ardentemente responde com a sua entrega, em primeiro plano na obediência como frade menor e, consequentemente, agora como um dos mais novos sacerdotes da Mãe Igreja”, disse.

Frei Paulo lembrou que o Seráfico Pai não foi um presbítero instituído, mas intuiu profundamente o que é e deve ser um sacerdote: “Sendo servo de todos, tenho por obrigação servir e ministrar a todos as odoríferas palavras de meu Senhor” (Carta aos Fiéis). “Sendo assim, devereis ser como nosso Pai Francisco: um arauto do grande Rei, para que o próprio Deus seja o locutor e pregador da mensagem da Boa Nova, que deve se estender para os corações dos homens em todo tempo e lugar”, observou o pregador.

Frei Paulo citou São João Crisóstomo para ensinar e mostrar onde se encontra o verdadeiro sentido do sacerdócio: “Conheço minha alma, sei como ela é fraca e pusilânime. Conheço a dignidade do sacerdócio e as dificuldades de exercê-lo. Pois mais numerosos do que os ventos que revoltam o mar, são as ondas que inquietam a alma do sacerdote”.

“Caro confrade, Frei Jhones, e demais sacerdotes, São João Crisóstomo nos ensina também quais qualidades devemos honrar como servidores nesse ministério do Cristo servo dos servos: despir-se de qualquer ambição; ser prudente; ser justo e honesto na função que lhe foi confiada; irradiar a beleza da alma; possuir zelo para com as viúvas e os pobres; exercitar a hospitalidade e o acolhimento; e realizar visitas aos necessitados”, ensinou.

Segundo Frei Paulo, muitos afirmam ver em Frei Jhones um homem de Deus e fiel zeloso no que a Igreja lhe confia. “Essa apreciação tão positiva, mais do que motivo de orgulho, deverá ser um desafio para você, pois nos faz lembrar o que nosso Seráfico Pai São Francisco de Assis nos exorta em 2Cel 142:’Trata de ser tão bom como todos dizem, porque são muitos os que confiam em ti. Por isso te aconselho a não seres diferente daquilo que esperam de ti’. Isto é, colocar-se na fiel disposição da sua escolha, como expressa profundamente o seu lema sacerdotal”, ressaltou Frei Paulo.

Frei Paulo também trouxe a “Carta a Toda Ordem” para enfatizar o ministério do sacerdote. “Peço ainda no Senhor a todos os meus irmãos sacerdotes, os que são, vierem a ser ou desejarem ser sacerdotes do Altíssimo (…)” – hoje fala também a você, Frei Jhones, ao celebrar a missa – “ofereça o verdadeiro sacrifício do santíssimo corpo e sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, com disposição sincera, com reverência e com santa e pura intenção. Considerai a vossa dignidade irmãos sacerdotes e sede santos porque Ele é santo… vós, mais que todos, amai-o, reverenciai-o, honrai-o… Portanto, nada de vós retenhais para vós mesmos, para que totalmente vos receba quem totalmente se vos dá!” (Ord 14-29)”, citou o frade.

“De acordo com a nossa Regra, o nosso ministério é sempre da Igreja e a serviço da Igreja. Essa é a nossa primeira Vocação. Assim, com a Igreja e na Igreja, o frade menor pode atender o chamado de Deus para o serviço ministerial e presbiteral e, fiel à sua opção pela pobreza, escolhe e assume o trabalho em espírito de: oração e devoção; fraternidade e solidariedade com seus irmãos e com o povo de Deus; minoridade, simplicidade e partilha, sobretudo com os pequenos e os pobres deste mundo. Por tanto, todo o nosso fazer se realiza, antes de tudo, na experiência diária de vida na Fraternidade, na comunidade eclesial, na sociedade e, em particular, entre os pobres”, exortou Frei Paulo.

E Frei Paulo concluiu: “Frei Jhones, pela graça da ordenação sacerdotal, você se torna semelhante a Cristo, pois exerce as suas funções. Está agora configurado ao Cristo Sacerdote, Mestre e Bom Pastor. Seja um autêntico servo do povo de Deus, irmão de todo irmão. Lembremos das palavras do Santo Padre, o Papa Francisco, dirigida a todos nós sacerdotes e de modo especial, no dia de hoje, a você Frei Jhones: “Vo-lo peço: sede pastor com o cheiro das ovelhas, pastor no meio do seu rebanho, e pescador de homens”, recordou.

Pediu orações ao novo presbítero Frei Jhones, e convidou a rezar como ensina o Seráfico Pai São Francisco: “Altíssimo, glorioso Deus, iluminai as trevas dos nossos corações, dai-nos uma fé integra, uma esperança firme e uma caridade perfeita. Dai-nos, Senhor, o reto sentir e conhecer, afim que possamos cumprir o sagrado encargo que na verdade acabais de nos dar. Amém!”

Diante da imagem de São José, tendo ao seu lado os seus confrades diáconos Frei Josemberg e Frei Alan, o neopresbítero consagrou o seu ministério ao Padroeiro Universal da Igreja.

Nos agradecimentos, o Ministro Provincial, Frei Paulo Roberto Pereira, disse que voltamos para a casa na certeza de que nossa obra está apenas começando. “Muito obrigado pelo seu sim, Frei Jhones, obrigado a esta Igreja nossa família, obrigado aos frades. Quero agradecer ao Serviço de Animação Vocacional e aos missionários e à irmã missionária pela missão nesta semana. Agradeço a vocês e às famílias que abriram as portas para recebê-los e, sobretudo, quero agradecer ao Pe. Silvano por nos acolher aqui nesta semana e neste dia de gratidão”, disse.

Frei Jhones recebeu homenagens e também fez seus agradecimentos. Ele lembrou que durante a próxima semana estará celebrando nas Comunidades da Paróquia Santo Antônio de Macatuba.

Frei Roger Strapazzon (Fotos) e Moacir Beggo

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui