Os frades na ucrânia quatro meses depois do início da guerra

175

Os frades na ucrânia quatro meses depois do início da guerra

Durante a missa no porão tínhamos apenas uma vela acesa, os tiros faziam as paredes tremerem. Ouvi os tanques russos perto do convento, rezei ainda mais e nos aconchegamos em torno daquela vela, símbolo de vida e esperança.

Quatro meses após o início da guerra na Ucrânia, os frades continuam ao lado do povo, exaustos pelo sofrimento e lacerações que o conflito trouxe. A Ordem dos Frades Menores, desde o início, esteve próxima com hospitalidade, escutando e ajudando as pessoas na zona de conflito e nos países vizinhos.

“Nos primeiros dias da guerra houve uma grande confusão, a multidão fugia, de todos os cantos, de leste a oeste. Desde o início abrimo-nos ao serviço da população local, ajudando, ouvindo, prestando assistência inicial. Hoje foram entregues 32 pacotes de ajuda. Desde o início do conflito, foram entregues mais de mil cestas básicas, kits de primeiros socorros e material de higiene e primeiros socorros, a todas as pessoas e soldados que os solicitaram.”

O Ministro Provincial da Ucrânia, Pe. Daniel Botvina, que vive perto de Kiev, continua:

“Conheço muitas pessoas que morreram em batalha. Lembro-me de uma mulher de 60 anos: ela me mostrou sua casa, mas me disse que ela não existe mais, que está completamente demolida. Lembro-me de uma mãe com uma menina de sete anos, de Zaporizhia: ela me disse que uma vez que os russos entraram nas aldeias, fizeram uma lista de casas vazias, tomaram essas casas, ocuparam-nas, agora os russos moram nelas . Soldados russos pegam as casas vazias e as entregam às suas famílias. Agora vivemos no momento, com medo de que possamos morrer a qualquer momento. Não tenho pensamentos para o futuro. Oramos e ajudamos”.

Pe. Daniel termina sua descrição agradecendo infinitamente a toda a Ordem, a todos os benfeitores e a todos aqueles que estiveram próximos a ele e aos frades na Ucrânia:

“Quero agradecer a toda a Ordem e a cada um dos benfeitores por todos os esforços de generosidade. Senti a grande proximidade do Ministro geral e de cada um dos frades de nossa Ordem”.

Na Ucrânia, os Frades menores estão presentes em 17 casas com 60 frades. Desde o dia seguinte ao início do conflito, muitos benfeitores, irmãos e conventos de todos os cantos da terra que responderam generosamente ao apelo do Ministro geral, Fr. Massimo Fusarelli, permitindo uma resposta cada vez maior às necessidades do povo, famílias e crianças.

Na masmorra do convento de Konotop

Konotop, fronteira com a Rússia, zona predominantemente ortodoxa, num dos nossos conventos, os dois frades presentes viveram a invasão russa e conseguiram ajudar a população durante alguns períodos entrincheirados na estrutura, alojando várias famílias no porão do convento.

“Fizemos as compras para as pessoas, especialmente para deficientes e idosos, para aqueles que não podiam escapar e distribuímos comida e mantimentos de casa em casa para mais de 1.500 pessoas arriscando nossas vidas. Todos os dias oferecemos pão a 200 pessoas, que param na Santa Missa, mesmo que não sejam católicas, apenas para se sentirem parte de uma comunidade viva. Entre eles está um jovem chamado Arthur, pai de três filhos, que perto de Konotop, enquanto dirigia seu carro para casa, foi atingido por cinco balas russas. Com suas últimas forças e orando, ele chegou a um hospital de campanha onde foi milagrosamente salvo”.

Assim, o irmão Romualdo, um dos dois irmãos, lembra:

“Durante a missa no porão tínhamos apenas uma vela acesa, os tiros faziam as paredes tremerem. Ouvi os tanques russos perto do convento, rezei ainda mais e nos aconchegamos em torno daquela vela, símbolo de vida e esperança.”

Hoje, Konotop, cidade de 80.000 habitantes na região de Sumy, parece ter alcançado, por meio de seu prefeito, um acordo para uma trégua de paz.

Apoio ao povo de Kiev

Na capital, Kiev, quatro meses após o início das hostilidades, se respira uma atmosfera de aparente calma, interrompida por sirenes e corridas no porão. A luta está acontecendo hoje no leste e no sul do país, com muitos cidadãos ucranianos retornando ao país para decidir lutar. De acordo com dados da Frontex, 2,3 milhões de pessoas retornaram ao seu país desde o início da guerra.

“Em Zhytomyr, a oeste de Kiev, somos sete frades que ajudam continuamente 50 famílias todos os dias, cerca de 600 desde o início do conflito. O desejo de lutar ao lado das forças ucranianas está crescendo entre as pessoas comuns. Nossas casas estão abertas a todos. Lembro-me da história de uma mãe, parcialmente paralisada e com dois filhos: ela deixou o marido ir lutar, percebendo que a necessidade de defender sua terra era seu maior desejo. Esposa e marido conversam entre 10 e 15 segundos por semana com mensagens rápidas e ágeis: “está chovendo” ou “não está chovendo” significa “bombas caindo ou bombas não caindo”.

Estas foram as palavras do Pe. Cristian que havia retornado ao seu país para o funeral de seu pai quando a invasão russa começou de repente.

Pe. Cristian estava em Roma, agora não pode e não quer voltar, hoje está na cidade de Zhytomyr, onde documenta a destruição da guerra e ajuda o povo. “Os jardins de infância aqui estão reabrindo, mas apenas os que têm porões para se abrigar das bombas. Muitas vezes são os pais, com os professores, que cavam os abrigos necessários para que seus filhos possam ser educados”.

A proximidade e a ajuda dos frades

De acordo com a agência da ONU ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), 7.567.024 refugiados da Ucrânia cruzaram para países vizinhos em busca de segurança. Outros 8 milhões de pessoas estão deslocadas internamente na Ucrânia. Ainda hoje, estima-se que 15,7 milhões de pessoas precisam urgentemente de proteção e ajuda humanitária. Os conventos da Ordem se dedicam a apoiar e amparar os refugiados ucranianos na Itália e nos países vizinhos ao local do conflito, especialmente na Polônia. Mais de 130.000 deslocados encontram ajuda na Itália e os conventos franciscanos oferecem assistência e ajuda a mais de 200 famílias todos os dias, especialmente mulheres e crianças.

O Ministro geral, Fr. Massimo Fusarelli, imediatamente mostrou sua proximidade, escuta e solidariedade com o povo ucraniano e com todos os irmãos presentes na região. Massimo visitou conventos na Ucrânia e fez parte de uma delegação internacional de líderes religiosos para uma “Peregrinação Inter-religiosa de Solidariedade com o Povo Ucraniano”, representando o mundo católico e transmitindo uma mensagem de solidariedade e esperança do Santo Padre, Papa Francisco. Estas são as suas palavras:

“Durante a Semana Santa tive a inesperada oportunidade de visitar a parte ocidental da Ucrânia, encontrando frades e refugiados. Conhecer pessoas, ouvir suas histórias, ver seus rostos e entrar em contato com suas dores me permitiu entender e ver as coisas de outro ponto de vista. Pude experimentar a ajuda concreta que estamos prestando e a solidariedade que cada um dos benfeitores nos permitiu fazer, fornecendo alimentos e remédios que salvam vidas. Hoje, uma grande dor permanece em mim, a dor dos mais fracos, das crianças e suas mães que protegem seus pequeninos de um futuro incerto, das bombas e do som dos tiros. Carrego comigo o orgulho de um povo que não desiste. A ajuda que fornecemos, alimentos e remédios, salva vidas. A Ucrânia é o conflito atual, mas há outros conflitos, outros sofrimentos e mortes. Só na África existem 28 conflitos em curso que raramente são falados, este é um teste para reagir aos problemas de caridade, paz e justiça”.

Fonte: OFM

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui