São Francisco e a Eucaristia

1491

  1. A situação da EUCARISTIA no tempo de Francisco– séc.XIII – certa decadência, o povo não compreendia a missa, não participava da Comunhão e esta se tornou rara. Autoridade eclesial tenta restaurar seu valor em ambientes místicos, no Concílio de Latrão IV. Há também a questão das heresias na época, diziam que a Eucaristia celebrada por sacerdotes indignos era inválida.

        Francisco manteve todo respeito, adoração e carinho à Eucaristia –

Ele traça um paralelo entre a Encarnação do Verbo no seio de Maria e sua vinda sobre os altares: ”Ele se humilha todos os dias, tal como na hora em que descendo de seu trono real para o seio da Virgem vem diariamente a nós sob a aparência humilde; todos os dias desce do seio do Pai sobre o altar, nas mãos do sacerdote”(Adm 1,16-18) – humildade – abaixamento.

  1. “Os irmãos e as irmãs participem do sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo e recebam seu Corpo e Sangue com grande humildade e veneração, recordando o que diz o Senhor:” Quem come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna” ( RNB 20,7-8)

Os sacerdotes como ministros desta presença – Francisco tem respeito por eles, mesmo que pecadores. A presença de Cristo não depende da santidade do ministro. Necessita visão de fé.

  1. Na Carta a todos os clérigos 4-5: ”Todos os que administram os santos mistérios cuidem dos cálices…muitos o guardam em lugares bem comuns e o levam de modo lamentável pela rua e o recebem indignamente e o ministram indiscriminadamente”
  2. Aos frades de sua Ordem dizia com afeto: (CtOr 14-15;” Peço ainda no Senhor a todos os meus irmãos sacerdotes, os que são, os que vierem a ser ou desejarem ser sacerdotes do Altíssimo, que, ao celebrar a missa, ofereçam o verdadeiro sacrifício do santíssimo corpo e sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, pessoalmente puros, com disposição sincera, jamais levados por qualquer interesse terreno, como quem procura agradar aos homens. Considerai a vossa dignidade, irmãos sacerdotes e “sede santos porque Ele é santo”
  3. Celano descreve a devoção de Francisco pela Eucaristia na ótica do amor divino.”Ficava estupefato diante de tão amável condescendência e de tão digna caridade… achava que era um desprezo muito grande não assistir pelo menos a uma missa cada dia, se pudesse… comungava muitas vezes…”(Cf. 2 Cel 201).
  4. Na Carta a toda Ordem 30-31, Francisco mostra-se extasiado: ”Pasme o homem todo, estremeça a terra inteira, rejubile o céu em altas vozes quando, sobre o altar, estiver nas mãos do sacerdote, o Cristo, Filho de Deus vivo! Ó grandeza maravilhosa, ó admirável condescendência, ó humildade sublime, ó humilde sublimidade! O Senhor do universo, Deus e Filho de Deus, se humilha a ponto de se esconder, para nosso bem, na modesta aparência de pão… Nada de vós retenhais para vós mesmos, para que totalmente vos receba quem totalmente se vos dá”! ( Carta a toda Ordem 26-28)

Na ótica da pobreza de Francisco: dar tudo a Cristo, já que Ele se dá inteiramente a nós. Ele se entregou totalmente; o gesto da paixão e morte é atualizado e vivenciado novamente na Eucaristia. Partilhar. Dar aos esfomeados tudo o que recebeu de Deus, inclusive o próprio eu, ir às raízes de si mesmo para descobrir tudo o que pode oferecer. Partilhar quando o outro pede, quando o outro não tem coragem de pedir – dar com alegria e simplicidade. Ser pobre como Jesus Cristo na Eucaristia.

Seguindo o costume originário da Ordem, Francisco nos exorta a termos cotidianamente como centro a celebração eucarística; não podemos reduzir esta exortação somente em receber o Corpo de Jesus. Seria uma compreensão muito pobre e superficial. Precisamos de uma dinâmica de incorporação= entrar no corpo e na alma de Cristo.

  1. Francisco era um homem do povo e não um teólogo. Sua linguagem não era das escolas teológicas. Seu linguajar era litúrgico, corrente. No Testamento 10 diz: ”E procedo assim porque do mesmo Altíssimo Filho de Deus nada enxergo corporalmente neste mundo senão seu santíssimo corpo e sangue” Francisco une a celebração eucarística ao culto ao sacramento.
  2. Na Eucaristia Francisco e depois dele seus filhos, vêem confluir a totalidade do mistério da fé, desde o mistério trinitário, passando pela encarnação e paixão redentora até a presença atual da palavra e da pessoa de Cristo para a santificação de todos e a edificação da Igreja.
  1. Uma comunidade não pode ter vida sem se alimentar da Palavra de Deus e da fração do pão (Atos 3,42
  • O que significa concretamente agir sem cálculo e sem interesse?
  • Quais as principais atitudes franciscanas diante da Eucaristia?
  • Que lugar ocupa a Eucaristia em sua vida?

Fonte: Ir. Nelsi Hoffelder  (retiro da CFFB/RS)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui