16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero

77

16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero

Campanha Contra a Violência Doméstica e

 “Dia Internacional de Comemoração da Eliminação da Violência

contra a Mulher”. 

Desde o ano de 1991, o dia 25 de novembro (Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher) até 10 de dezembro (Dia dos Direitos Humanos), a comunidade internacional tem observado os 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero. As datas são significativas, e ressaltam que a violência contra as mulheres é uma violação dos direitos humanos.

Esta campanha, liderada pelo secretário-geral da ONU e pelas Mulheres da ONU desde 2008, tem como objetivo prevenir e eliminar a violência contra mulheres e meninas em todo o mundo, pedindo ações globais para conscientizar, promover a advocacia e criar oportunidades de debate sobre desafios e soluções. Surgiu do primeiro Instituto de Liderança Global das Mulheres.

As participantes escolheram as datas da campanha com o objetivo de vincular a violência de gênero e os direitos humanos de forma simbólica, bem como enfatizar o fato de que a violência de gênero, e especialmente, violência contra as mulheres e meninas.

Organizações de mulheres de base, e governos das Nações Unidas, conscientizam, mobilizam constituintes, exigem responsabilização e mostram progresso na eliminação da violência de gênero. A campanha global 16 Dias é baseada em valores feministas, nos princípios dos direitos humanos e na crença de que um mundo sem violência é possível. Éuma das campanhas mais longas em todo o mundo. Desde sua criação, tem servido como um elo entre o ativismo local e global para ressoar vozes feministas e garantir a responsabilização pelos direitos humanos das mulheres, além das fronteiras e reunindo diferentes movimentos. Esta campanha ainda tem grande relevância para todas as mulheres cuja dignidade continua ameaçada.

Quase uma em cada três mulheres foi abusada em sua vida. Em tempos de crise, os números aumentam, como visto durante a pandemia COVID-19 e recentes crises humanitárias, conflitos e desastres climáticos. Um novo relatório da ONU Mulheres, baseado em dados de 13 países desde a pandemia, mostra que duas em cada três mulheres, relataram que elas ou uma mulher que conhecem sofreram algum tipo de violência e são mais propensas a enfrentar a insegurança alimentar. Apenas uma em cada 10 mulheres disseram que as vítimas foram à polícia pedir ajuda.

Parar essa violência começa com a crença das sobreviventes, adotando abordagens abrangentes e inclusivas com as causas básicas, transformam normas sociais prejudiciais e capacitam mulheres e meninas. Com serviços essenciais focados nas sobreviventes, nos setores policial, judiciário, de saúde e social e com financiamento suficiente para a agenda de direitos das mulheres, podemos acabar com a violência de gênero.

No âmbito da Conferência de Mecanismos de Proteção das Nações Unidas, organizada pelo Centro de Direitos Humanos da UCAB em conjunto com o Centro de Justiça e Paz, Alda Facio, diretora do Grupo de Trabalho sobre a questão da discriminação contra as mulheres na lei e na prática, explicou alguns tipos de tortura contra as mulheres que são punidas e que as mulheres devem falar se estão sendo vítimas de algum deles.

Lei Orgânica do Direito da Mulher a uma Vida Livre de Violência expõe vinte tipos de violência, conforme explicado pela Rede Laranja[1], para facilitar a comunicação e divulgar os direitos das mulheres. São eles:

  1. Violência psicológica: considerada como qualquer ato que possa diminuir a autoestima de uma mulher e levar à depressão, ou mesmo ao suicídio.
  2. Assédio: Qualquer tipo de comportamento abusivo destinado a perseguir, intimidar ou chantagear uma mulher.
  3. Ameaça: propagandas ou atos para causar danos futuros para intimidar as mulheres. Violência física: qualquer ato que cause danos físicos ou sofrimento às mulheres.
  4. Violência doméstica: quando qualquer tipo de parente ou pessoa com quem se tem um relacionamento emocional ataca, ameaça ou intimida uma mulher.
  5. Violência sexual: conduta que vai contra o livre direito da mulher de decidir sobre sua sexualidade.
  6. Acesso carnal violento: violência sexual que consiste em introduzir qualquer tipo de objeto ou órgão nas partes íntimas da mulher por meio de violência ou ameaça.
  7. Prostituição forçada: quando eles forçam a mulher a realizar atos sexuais para ganho econômico.
  8. Escravidão sexual: quando uma mulher é vendida, trocada ou forçada a realizar atos sexuais.
  9. Assédio sexual: quando um indivíduo exige atos sexuais ou qualquer outro comportamento da mesma natureza de uma mulher, sob uma ameaça ou promessa de prejudicá-la.
  10. Violência no local de trabalho: é a discriminação contra a figura das mulheres no local de trabalho que dificulta o seu acesso ao emprego, promoção, estabilidade no emprego, etc.
  11. Violência patrimonial e econômica: qualquer ação que vise produzir limitações econômicas para controlar sua renda.
  12. Violência obstétrica: quando um profissional de saúde mantém um tratamento desumanizador, abuso da medicalização e patologização dos processos naturais, resultando na perda da autonomia da mulher.
  13. Esterilização forçada: quando as mulheres são privadas de sua capacidade biológica e reprodutiva sem o seu consentimento.
  14. Violência nos meios de comunicação: quando as mulheres são exploradas, discriminadas, desonradas ou humilhadas através de qualquer meio de comunicação
  15. Violência institucional: autoridades, instituições, funcionários, agentes, etc., atrasam, dificultam ou impedem o acesso a políticas públicas que garantam os direitos das mulheres.
  16. Violência simbólica: qualquer tipo de mensagem ou símbolo para transmitir desigualdade, discriminação e/ou subordinação das mulheres na sociedade.
  17. Tráfico de mulheres, meninas e adolescentes: qualquer processo para levar uma mulher, menina ou adolescente à exploração sexual; captura, recrutamento ou transporte transfronteiriço com fins lucrativos.
  18. Indução ou assistência ao suicídio: considerada como uma consequência extrema da violência psicológica, assédio, assédio e ameaça.
  19. Feminicídio: assassinato de uma mulher por simplesmente ser mulher

As mulheres e todas as pessoas que as conhecem ou as acompanham podem denunciar qualquer ato de violência: ao Ministério Público, aos Tribunais de Magistrados, a Prefeituras, Sedes Civis, Delegacias da Mulher ou outros órgãos policiais, unidades de comando de fronteira e qualquer outra organização, divisão, tribunal ou instituição que lhes seja atribuída essa competência.

Fonte: cicaf.org.br

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui