Memorial da Terceira Ordem Franciscana – De Assis ao Pará e Amapá

125

Download do Livro 

Neste ano de 2021 a família franciscana e toda a Igreja celebram os 800 anos da Regra canônica Memoriale Propositi, aprovada pelo papa Honório III e confirmada pelo Papa Gregório IX em 20 de maio de 1221 com destinação aos que fazem penitência. É neste mesmo contexto que recordamos as Cartas de São Francisco de Assis aos Fiéis, marcos do nascimento da Terceira Ordem Franciscana, que vivencia este jubileu com o tema: “De Assis a Canindé: memória, compromisso e esperança” e o lema: “Do evangelho à vida e da vida ao Evangelho”.

O Papa Francisco diz que “a memória cristã é como o sal da vida. Sem memória não podemos ir para frente. Quando encontramos cristãos ‘desmemoriados’, logo vemos que perderam o sabor da vida cristã e acabaram como pessoas que cumprem os mandamentos, mas sem a mística, sem encontrar Jesus Cristo”.

De fato, para nós cristãos, fazer memória é algo sagrado. Vivemos do memorial da obra da nossa redenção realizada por Cristo. Essa memória se faz atualização e participação por obra do Espírito Santo que gera vida em nós. Vivemos da memória que fazemos. Isso não significa que nós vivemos presos em um passado perdido, nem que não reconhecemos o nosso chão de hoje. É precisamente o contrário. Conhecemos o nosso chão de hoje e podemos ir para frente à medida que somos capazes de fazer memória.

A memória cristã é ímpeto de compromisso com o hoje e de esperança no amanhã. É saudável para as fraternidades e comunidades franciscanas recordar (trazer ao coração), tanto as inspirações embrionárias do Carisma quanto o ardor dos que, antes de nós, viveram suas vidas franciscanamente nesta querida Amazônia. Isso nos permite perceber que não estamos sozinhos, que somos parte de uma história que não começou e não terminará conosco, fazemos parte “de uma imensa vida”.

Olhar para o ontem com os pés firmes no hoje nos faz sonhar o amanhã. É na memória fecunda que Deus semeia a virtude da esperança. E sobre esta virtude, nos diz o Papa Francisco: “A esperança é ousada, sabe olhar para além das comodidades pessoais, das pequenas seguranças e compensações que reduzem o horizonte, para se abrir aos grandes ideais que tornam a vida mais bela e digna. Caminhemos na esperança!” (Fratelli Tutti, n. 55). A esperança cristã não é uma espera passiva de que um dia algo melhore, algo aconteça, alguém surja, mas é a ativa construção de uma realidade nova.

Sem esperança não há sentido fazer memória ou escrever sobre nossa história. A esperança é o motor da atualização daquele ideal que inspirou Francisco e Clara de Assis do século XIII; que inspira Francisco da Laudato Si’ e Fratelli Tutti do século XXI. Que ao folhear estas páginas memoriais, cada um de nós possa entrar nesta torrente de esperança e que, juntos e juntas, possamos esperançar uma Amazônia, um Pará e Amapá mais fraterno, mais ecológico, mais humano, ao modo dos santos de Assis. Nisto consiste nosso compromisso!

A reunião dos breves relatos de nossas Fraternidades da Ordem Terceira, com suas diversidades, representa o desejo vivo de fortalecer nossa unidade. Entre a TOR, a OFS e a JUFRA há uma genética familiar, uma comunhão vital que nos convida a mantermo-nos de mãos dadas em todos os aspectos de nossas vidas, sobretudo na Assistência Espiritual, Animação Fraterna e Promoção vocacional. Revisitar a contribuição dos irmãos e irmãs que nos precederam é motivo de louvor e gratidão, compromisso e ponto de partida que não podemos perder de vista. Como é o caso da Carta aos Fiéis:

Todos os que amam o Senhor, “de todo o coração, de toda alma e de toda a mente, com todas as suas forças” (Mc 12,30) “e amam o seu próximo como a si mesmos” (Mt 22,29), e odeiam o próprio corpo com seus vícios e pecados, e que recebem o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, e fazem dignos frutos de penitência: quão felizes são estes e estas que assim agirem e perseverarem até o fim, porque “sobre eles repousa o Espírito do Senhor” (Is 11,2) e ele fará neles sua habitação e a sua “morada” (Jo 14,23), e eles são filhos do Pai celestial (Mt 5,45); cujas obras fazem e são esposos, irmãos e mães de nosso Senhor Jesus Cristo (Mt 12,50). (1 FI, Capítulo 1)

Este texto aos fiéis é parte dos rastros cronológicos, apresentados nesta edição, que nos ajudam no exercício memorialístico e nos provocam ao encontro com a vida dos Santos e Santas da Ordem Seráfica, bem como, nos disponibilizam o conhecimento de tantos leigos e leigas, religiosos e religiosas, diáconos, presbíteros, bispos e papas que doaram sua vida pelo Reino na vivência da Santa Regra Franciscana, que seu testemunho nos ajude a perseverar no caminho da perfeição da caridade cristã.

Gratidão às Fraternidades da OFS e JUFRA, e às Congregações da TOR presentes no Pará e Amapá. E de um modo especial, ao Conselho Regional da OFS e a Coordenação da CFFB Norte 2 que animou diversas atividades para nosso Jubileu dos 800 anos, organizou uma equipe que se doou para preparar o presente material: Antônia Lais Chagas e Cleicilene Silva (JUFRA); Francisco Araújo, Alexandre Souza e Jucilene Caldas (OFS); Ir. Ivoneide Queiroz – Irmãs Franciscanas de Maristella – e Ir. Ângela Moraes – Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração (Congregações da TOR). Que seu trabalho seja como o do agricultor que semeou; o de cada leitor, como o daquele que regou, para que Deus possa fazer crescer.

Desejamos um abençoado jubileu e uma santa caminhada, fazendo memória com compromisso e viva esperança na Igreja e Sociedade!

Victor Paiva, OFS

Historiador, membro da equipe de Formação Fraternidade São Francisco de Assis,

Coordenação da CFFB N2 – Núcleo Castanhal

 

Fonte: Conferência da Família Franciscana do Brasil Pará-Amapá – Regional Norte 2

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui