Teve início o Simpósio que celebra o jubileu de 800 anos do encontro entre São Francisco e o Sultão

97

O diálogo inter-religioso é o ponto principal nas conferências do Simpósio Franciscano que celebra o jubileu de 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o sultão Al Malik Kamil, em Damieta, no Egito. O evento foi iniciado na manhã desta segunda-feira (08) no auditório do Instituto São Boaventura (ISB), em Brasília, e acontecerá até a próxima quarta-feira (07).

Durante a primeira apresentação, o Prof. Dr. Frei Elio Rojas (OFMConv.) falou sobre “Pelo Deus Altíssimo, no ardor da caridade” (cf. 1B 9). O frade argentino buscou tratar do diálogo como um dos alicerces para a espiritualidade franciscana. “O objetivo do Seráfico Pai São Francisco nunca foi converter o sultão ao cristianismo, mas sim compartilhar ideias em uma mística espiritual maior”, disse ele.

Frei Elio utilizou de diversos exemplos do próprio cotidiano da Vida Religiosa Consagrada para trazer à luz os pontos principais de seu raciocínio, levando um pouco de graça aqueles e àquelas que participavam na plateia. Assim, ele ilustrou um panorama que destaca a importância deste diálogo inter-religioso até os dias de hoje.

Em seguida, foi a vez do Prof. Dr. Frei Sandro Roberto da Costa (OFM) apresentar a conferência “Entre a espada e a fé, um movimento de diálogo: o encontro entre Francisco e o Sultão numa leitura histórica e historiográfica”. Em sua abordagem, o frade da Província Franciscana Imaculada Conceição do Brasil buscou analisar como os diversos autores, momentos e obras retrataram historicamente o encontro.

Dando um enfoque nos diferentes tratamentos sobre o encontro, Frei Sandro expôs como os momentos históricos influenciaram na compreensão da ação de São Francisco. “A visão que temos hoje deste diálogo inter-religioso foi ser percebida de forma mais clara somente no século XX. O Papa, por exemplo, tem seguido muito a obra daquele que ele decidiu nomear-se e, assim como São Francisco, tem visitado os países islâmicos”, explicou ele.

Após o almoço, foi realizada uma mesa redonda composta pelos Freis Beneval Soares (OFMConv.) e Miguel Nunes (OFMConv.) e também os frades que haviam apresentado anteriormente, Frei Elio e Frei Sandro. Na ocasião, eles expuseram uma visão franciscana sobre o encontro. “Francisco é a perfeita minoridade. Ele abriu-se ao diálogo para com o próximo e, assim como o Pobrezinho, devemos também nos esvaziar de nossos julgamentos, preconceitos e vaidades”, afirmou o Frei Beneval.

Este momento contou com uma participação maior do público, que fazia perguntas e fomentava o debate. “O ato de São Francisco é simbólico até os dias de hoje. Vivemos em uma época em que as pessoas estão cada vez mais fechadas e falta o contato entre elas. A linguagem que o homem e a mulher de hoje entendem é a gentileza, a ternura no contato. Este é o sinal deste tempo que, deve seguir o exemplo do Pobrezinho, que abriu-se ao próximo e ao diferente e deixou-se confraternizar com ele”, finalizou o Frei Gilson.

O Simpósio

O evento acontece até esta quarta-feira (10) e é uma realização entre o Instituto São Boaventura e a Conferência da Família Franciscana do Brasil (CFFB). Ao celebrar o Oitavo Centenário do encontro, num ambiente de aprofundamento, reflexão e discussão da diversidade, as entidades têm como objetivo promover no espaço acadêmico uma discussão ampla e participativa dentro da cultura de choque e rompimento dos dias de hoje. Numa perspectiva teológico-espiritual, será evidenciada a importância da minoridade para o encontro da diversidade.

Confira a programação clicando aqui.

Fonte: Franciscanos Conventuais – Província São Maximiliano Kolbe

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui