As Leis como arma e escudo contra a escravidão e luz para a liberdade de filhos de Deus

69

Frei Willames Batista, continua sua reflexão a cerca da migração. Neste segundo artigo apresenta as leis a partir de uma visão tomista como um meio para se alcançar a liberdade dos Filhos de Deus

As Leis como arma e escudo contra a escravidão e luz para a liberdade de filhos de Deus

Com Tomás de Aquino conseguimos entender bem a necessidade que levou a criação das leis, que tem como função salvaguardar a justiça entre os povos, pois, “a justiça é o hábito segundo qual alguém, com constante e perpétua vontade, dá a cada qual seu direito”. Sendo assim, temos a seguinte exposição dos tipos de leis, em Tomás de Aquino, que nos revelam quanto o homem necessita sempre de relembrar de ser justo:
⦁ Lei Divina Eterna: sendo o plano racional de Deus que estabelece a ordem no Universo, e que existe na mente de Deus que dirige todas as criaturas para a finalidade de sua criação.
⦁ Lei Natural: que é a centelha da Lei Eterna que Deus coloca nos corações dos Homens. É visivelmente isso quando em nossa mente surgem coisas como: é proibido matar, roubar, que devemos fazer o bem…etc.
⦁ Lei Humana: deriva da Lei Natural, que surge para desviar os Homens do caminho das práticas do mal devido ao mau uso do nosso livre arbítrio.
       O interessante que percebamos é que a Lei Humana e a Lei Natural não podem nunca entrarem em contradição, pois assim deixariam de ser leis, seriam somente palavras jogadas. Contudo, acima da lei Humana está a Lei Divina, esta Lei Divina Positiva que tem por função corrigir as imperfeições da Lei Humana e também a leitura errada da Lei Natural. Um exemplo claro desta Lei Divina Positiva são as Tábuas da Lei que Moisés recebe do próprio Deus e outro exemplo é a Nova Aliança construída pela vinda de Cristo.
       Como vemos, o ser humano é sempre recobrado a lembrar de viver na pureza de seu coração, não amedrontados pelas leis que punem, mas revestidos dos sentimentos de Cristo, que nos convoca a sermos novos Moisés nesta sociedade que ainda teima em escravizar, teima em tirar vantagens dos irmãos que quase sem esperança estão. E somos ainda chamados a recobrarmos as lembranças de que somos estrangeiros neste mundo, como também relembrar o senso de partilha das nossas primeiras comunidades e que tanto nos identificava.
       Enfim, é mais um capítulo do Êxodo do povo de Israel, do povo de Deus quem vem sendo escrito sobre o sangue, escravidão e naufrágios de nossos irmãos. Êxodo dos nossos novos israelitas: mexicanos, venezuelanos, haitianos, sírios. Êxodo e escravidão que necessita de profetas da libertação, não daqueles que vivem em ideologias e que acabam colocando mais perigo e dificuldades na vida de quem já está sofrendo. Mas, homens que estão dispostos a mostrar luzes onde se vê trevas, homens que incentivam o crescimento de quem se acha mísero e que só há vida melhor se sujeitando a um sistema que oprime, mas que ela pode ser também profeta da sua própria libertação, de buscar em Deus a força e somar com a sua vontade de mudar de vida sem se colocar abaixo de outro.
Frei Willames Batista do Nascimento, OFM
Fraternidade Nossa Senhora das Dores – Fortaleza – CE
Professor de Filosofia – Graduado pela Faculdade São Bento da Bahia
Graduando no Bacharelado em Teologia pela Faculdade Católica de Fortaleza
Administrador do Canal “A Arte de Ser” no Youtube

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui